O Jogo Continua


Paulo Castro, o Paulinho Cavaco

Diante do juiz, Giselda não olhou nenhuma vez para Adeilton. Ouviu os advogados dele e dela apresentarem os argumentos do divórcio e, agora, esperava a fala do juiz.


Ela e Adeilton se conheceram num baile de carnaval, no Esperança Futebol Clube e Regatas, em Bangu. Ninguém entendeu o Regatas, já que Bangu nunca teve praia. Foi, porém, uma sugestão de Dona Cacilda, esposa do maior bicheiro do bairro e presidente do clube. Ela achava chique. O nome foi para apreciação, sendo aprovado por unanimidade. Alguém duvida?


Ali começou o namoro, que passou para noivado e, a curto prazo, para casamentp. Ele, centroavante do Esperança, ídolo da torcida, artilheiro do campeonato, titular absoluto; ela, torcedora fanática do time, chefe de torcida, e, no momento, concorrente ao título de Miss Bangu, apoiada por Dona Cacilda. Já viu, né!


Zelda, apelido de infância, dava a maior força para o Ditão. Comparecia a todos os jogos, sempre vestindo a camisa com o retrato do marido, estampado, grande, dando aquela meia bicicleta que o Pelé tentou e não conseguiu.