top of page

DEVANEIOS EM VERDES E AZUIS




O avião sairia em 50 minutos. E em meio a profusão de sentimentos que a invadiam, a imagem mais forte que lhe vinha à mente era daquele bloco de carnaval cantando


“Ó abre alas que eu quero passar”


com um estandarte nas suas cores preferidas: azul e verde.

Pensou na mãe.

Naquele guardanapo perdido nos meios daquelas fotos nunca lembradas e escrito no aeroporto de Fortaleza em fevereiro de 2000.

“- Estou tão só que tenho a impressão que nem mesmo eu estou comigo.”


Por que tanta solidão? Será que era carnaval?

Será que dentro do taxi, na ida para o aeroporto, a mãe também olhou algum bloco passar? Em que ela pensava? Em quem ela pensava?

Ou não pensava em nada? O pensamento as vezes, também seca.

E a música continuava em sua cabeça.


“O abre alas que eu quero passar”


Ao olhar o relógio se deu conta que ainda faltava 45 minutos.

Como pode ter pensado tanto em somente cinco minutos?


“Eu sou da Lira não posso negar”


Que gente linda era aquela cruzando a avenida?

Todos suados, melados de purpurina e quem sabe de cerveja e beijos derramados.


“Rosa de Ouro é quem vai ganhar”


E pensou:

- Voltar agora, em meio ao carnaval, depois do enterro, sem sequer sentir a ausência.

- Por quê?

- Será que nada importa?

Ela começou a se dar conta que importava sim, e que importava muito uma mãe enterrada, a combinação sublime de verdes e azuis e uma gente linda abrindo alas querendo passar.

E retornar pra uma casa de paredes brancas, sem cores, com músicas adequadas. Retornar para um jantar gourmet sem tempero de mãe.

Retornar para um casamento descolorido, com beijos civilizados e sexo antisséptico, por causa de um compromisso de negócios, que renderia dinheiro para um marido já tão desconhecido.


“O abre alas que eu quero passar”


Nesse momento a voz do autofalante fazia a última chamada do seu nome para o embarque. Foram quase quarenta minutos de devaneios, lembranças em verde azul e desejo de purpurinas e beijos molhados.

E num desatino, como o daquela moça do Chico, ela correu pelo aeroporto afora até a saída, entrou no primeiro taxi e pediu:

- Moço me deixa por aí, em algum bloco de carnaval.


 

A literatura, as artes e a cultura, incluindo a economia criativa, desempenham papéis cruciais no desenvolvimento, geração de empregos, promoção de pertencimento e criação de renda na sociedade contemporânea.


Essas expressões criativas enriquecem nossas vidas e impulsionam setores inteiros da economia, gerando empregos em áreas como escrita, publicação, design e produção literária. Da mesma forma, a literatura promove a inclusão e o pertencimento ao proporcionar narrativas diversas e representativas. Além disso, eventos literários, turismo cultural e comércio de obras literárias contribuem para a geração de renda.




A Cedro Rosa Digital desempenha um papel crucial na promoção da música e literatura independentes internacionalmente. Certifica obras e gravações, protege direitos autorais e facilita o licenciamento, garantindo compensação justa para artistas e escritores. Isso impulsiona a criação de conteúdo musical e literário original, diversificado e inovador, contribuindo para o desenvolvimento econômico e cultural global. Além disso, a empresa permite que outras organizações licenciem músicas, promovendo um ambiente em que os valores dos direitos autorais são justos. Essa abordagem não apenas gera renda para os artistas, mas também fortalece a economia criativa e contribui para a diversidade cultural nas esferas da música e literatura independentes.




0 comentário

コメント


+ Confira também

destaques

Essa Semana

bottom of page