top of page

Cacau e Chocolate


Mercado se destaca de forma sustentável pela alta qualidade


Maitê e o cacau, por Kika Aidar

O parisiense Mathieu Laurent Hourcade chegou em 90 na Bahia para conhecer Itacaré. Logo depois ficou atraído pela preservação ambiental de Serra Grande. No vale do rio Tijuipinho encontrou um sítio que se chamava Santa Tereza. “Escolhi conservar o nome em homenagem a Maria Tereza, rainha da França, que deixou famosa uma preparação de bebida quente de cacau e iniciou o interesse do cacau na Europa”.

No início do negócio ele torrou, moeu, fez cocada de cacau e os resultados despertaram atenção para melhorar a fineza do produto. Após 20 anos produzindo chocolates finos a frente da marca Cacau Santa Tereza, Mathieu cita: “Comecei a temperar a massa para chocolate há uns 10 anos atrás e iniciei no processo do cacau cru para alcançar uma atração pelo produto regional em uma nova proposta de chocolate cru, não torrado”, endossa.

Pioneiro no segmento, Hourcade atua na linha ‘tree to bar’, que começa do plantio a barra de chocolate. “Na busca por qualidade entrei na cooperativa Cabruca de produtores de cacau orgânico para melhorar as técnicas de produção orgânica e recebi certificação do instituto biodinâmico”.

continua...


 

Ana Diniz, artista de Serra Grande


 

Programa de formação – Para atuar no universo do cacau não basta apenas ter desejo, mas se aperfeiçoar nos estudos. Fundada na turística cidade de Canela (RGS), a Castelli Escola de Chocolataria, primeira do gênero no país, forma profissionais para o mercado. A diretora da instituição, Silvana Castelli, diz que a unidade possui metodologia diferenciada. “Na modalidade online, híbrida, presencial ou vivencial, contamos com uma equipe de professores referendados vindos de todo o Brasil”.

Para Silvana, que articula projetos de desenvolvimento em chocolataria, o mercado é promissor. “As regiões produtoras de cacau no Brasil, como Pará, Bahia e Espírito Santo estão se reinventando. Isso aumentou a autoestima e a qualidade de vida dos produtores, fazendo com que surgisse um novo momento de venda de amêndoas de cacau e de crescimento das rotas turísticas do cacau”, avalia.


Cacau, por Kika Aidar

Sul da Bahia - Em consonância com a opinião de Castelli, o idealizador do Chocolat Festival, criado em Ilhéus em 2009, Marco Lessa, acrescenta que o setor vem se consolidando. “Estamos em franco crescimento com o surgimento de novas marcas, aumento de novos produtos das marcas existentes, incríveis, derivados de cacau, melhoria da matéria prima com mais oferta de cacau de qualidade”, detalha.

Quanto a falta de recursos para capital de giro e investimentos em marketing ou de custo logístico para exportação de pequenos volumes, Marco enfatiza: “Continuem a sonhar e sonhar grande, que não tem relação direta com ser grande ou faturamentos absurdos em curto tempo; isso é consequência. Mas sonhar em conquistar pessoas e mercados em várias partes e ter o seu produto com o devido valor reconhecido. Os consumidores querem produtos com verdade, com história, saudáveis, especiais, como produtos e por quem o faz”, vislumbra.

Beneficiamento do cacau – Através de financiamento articulado pela Tabôa, que fomenta iniciativas de bases comunitárias em Serra Grande, mais de 150 agricultores familiares do sul da Bahia foram beneficiados pela linha de crédito rural através do certificado de recebíveis do agronegócio sustentável. Os recursos mobilizados de investidores e organizações filantrópicas totalizaram R$ 1 milhão, com expectativa de mais R$ 5 milhões em 2021.

O diretor executivo da Tabôa, Roberto Vilela, reforça que a intenção do fundo, foi buscar e ampliar o financiamento através de uma linha de crédito acessível e flexível a pequenos produtores, que enfrentam dificuldades para acessar as linhas convencionais. “Passamos quase dois anos discutindo e desenhando uma estratégia que fosse viável e sustentável. Era importante construir uma solução que gerasse benefícios socioeconômicos, mas também ambientais”, esclarecendo que os recursos foram destinados para agricultores de oito municípios e entre os requisitos, o diferencial do cultivo ser feito à sombra de árvores nativas por meio do sistema de cabruca.


As diversas origens do cacau

Cada lugar produz frutos únicos


Com a missão de edificar o conhecimento sobre o cacau, a gerente de qualidade do Centro de Inovação do Cacau (CIC), Adriana Reis, que auxilia produtores que buscam qualidade e acesso a mercados especiais, reflete quanto à genética das amêndoas.


Como avalia a evolução do negócio do cacau no sul da Bahia?

Adriana Reis – Ainda focado no mercado de cacau ‘bulk’ de qualidade inferior, sem agregação de prêmio. Porém, nos últimos anos, com trabalho de valorização e reconhecimento da região como um lugar que produz um produto singular, que é o cacau Cabruca, com modo de fazer único, ligado a uma rica história de tradição em sustentabilidade e qualidade, protegida geograficamente pelo instituto nacional da propriedade industrial, como uma indicação geográfica de procedência, assim como o Vale dos Vinhedos (RS) e o café do Cerrado Mineiro (MG). O sul da Bahia tem atraído cada vez mais empresas que estão interessadas em contar esta história. Valorizando e incentivando o trabalho dos produtores da região, através de prêmios pagos pela qualidade, apresentado em uma saborosa e intensa barra de chocolate, que explora o que temos de melhor aqui, que é a nossa “agrobiodiversidade”



Quantas espécies e quais as procedências do cacau que existem no sul da Bahia?

Adriana Reis - Nosso cacau tem origem no cacau amelonado, reconhecido como forastero, que veio do estado do Pará e encontrou aqui um ambiente propício para se desenvolver. Com a introdução da vassoura de bruxa precisou-se criar uma base genética mais resistente a pragas, doenças, insolação e maior produtividade. Nossa genética tradicional foi cruzada com um tipo descendente de Trinidad e Tobago, chamado de trinitário. Estes possuem um pai ou uma mãe com descendência criollo, um tipo muito aromático cultivado no México e na Venezuela e considerado fino. Isto possibilitou mudança genética dos tipos cultivados aqui nos últimos anos, de forma pratica e visual, são os cacaus avermelhados, onde antes nas roças da região predominavam frutos verdes e amarelos, quando maduros. Hoje temos uma lista de mais de 13 clones recomendados muito bem difundidos na região, com bons resultados de produtividade e resistência.



Reportagem: Nerivaldo Góes | Fotos: Kika Aidar


 

Siga as Redes Sociais da Cedro Rosa.

 

Cedro Rosa cria Plataforma mundial de Música, em 10 idiomas, para gerir direitos autorais e licenciar musicas.




Músicos, compositores, bandas, mídia, produtores de cinema, streaming, TV, publicidade e games em um único ambiente digital, para negócios de licenciamento.



Abra um perfil agora


Plataforma digital permite registro, distribuição e licenciamento de músicas no mundo inteiro. Todo mundo pode escutar músicas e podcasts de graça.



A Cedro Rosa , produtora e distribuidora de conteúdos, com sedes no Rio de Janeiro, New York e Tokyo criou uma plataforma digital de administração e distribuição de músicas no mundo inteiro.


Para ter acesso, como artista, empresa ou simplesmente amante de música, basta abrir um perfil, apenas com nome e e-mail.


A plataforma digital funciona em 10 idiomas e conta com mais de 3 000 mil certificadas, prontas para serem licenciadas para sincronizações diversas em filmes, novelas, audiovisuais, games e publicidades.


Acompanhe nossas redes digitais. https://linktr.ee/cedrorosa


Compositores, bandas e artistas podem registrar suas musicas e fazer contratos de distribuição e licenciamento e empresas da midia como TVs, Radios, produtoras de cinema e conteudo em geral podem licenciar essas obras devidamente certificadas diretamente na plataforma.



Comments


+ Confira também

destaques

Essa Semana

bottom of page