BOLA MURCHA



Paulo Castro, o Paulinho Cavaco


A bola! A bola! Estava caminhando no calçadão da Atlântica e os gritos chamaram a sua atenção. A bola! A bola! Virou-se e viu que ela vinha em sua direção. A bola! A bola! Sentiu que tinha de tomar uma atitude para evitar que ela fosse para a rua e algum carro terminasse, mais cedo, com o jogo na areia.


Lembrou-se do seu tempo de futebol de praia, quando, camisa oito, dominava o meio de campo do Arsenal, time do posto três de Copacabana. Jogava com categoria, fazia lançamentos de trinta metros, deixando o centroavante na cara do gol. Falta perto da área era meio gol; pênalti, gol na certa! Tempo bom, de grandes times do futebol de areia: Radar, no Leme; Lá Vai bola, no posto seis; Guaíba, na Urca... Disputa acirrada. Paredão cheio. Aplausos e vaias.