top of page

OS CEM DIAS



Discute-se na mídia a importância de o atual governo poder anunciar, ou não, grandes progressos conseguidos em seus primeiros 100 dias de administração. Aqueles que são favoráveis a esta nova gestão defendem a irrelevância de qualquer julgamento com base nos primeiros 100 dias.


Outros, porém, apontam que a falta de realizações em tal período já é um indício de grande

inoperância. Temos alguns exemplos da importância dos primeiros 100 dias que relacionamos a

seguir.


Os primeiros “100 dias” que queremos destacar é o período que ocorreu entre o desembarque de

Napoleão Bonaparte na França, quando se evadiu da Ilha de Elba e até a sua abdicação.

Deslocando-se por estradas secundárias, arregimentando tropas no caminho, ele entra em Paris

praticamente sem resistência. Em poucas semanas ele arregimenta um novo exército de 150 mil

soldados, invade a Bélgica e Alemanha, mas acaba sendo derrotado em Waterloo. Ele volta para

Paris, abdica, é preso e deportado para a Ilha de Santa Helena, no meio do Oceano Atlântico,

próxima da África do Sul. Estes 100 dias ficaram assim como um prodígio de acontecimentos,

eventos, desde a mobilização de reservistas, formação do exército, e uma quase vitória de

Napoleão. Perdeu, mas perdeu por pouco.


Outros “100 dias” emblemáticos que a História registra, são aqueles que sucedem a data da posse do presidente norte-americano Franklin D. Roosevelt, no início da década de 30 do século XX. O país estava em meio a uma grande depressão. Filas de desempregados esfomeados e veteranos da Primeira grande guerra desamparados tomavam as ruas. O sistema bancário estava praticamente quebrado. Roosevelt e sua equipe criaram, então, um amplo pacote de medidas em diversos campos: financeiro, sistema regulatório, energia, obras públicas e outros. Promoveram novas regras empresariais de governança, controle de holdings e de tarifas públicas. Este conjunto de ações, chamado de “New Deal”, foi submetido ao Congresso local que tudo aprovou. Tais medidas habilitaram os Estados Unidos a entrar na Segunda Guerra Mundial, quase uma década depois, como um país renascido e forte e vencê-la.


Dos eventos acima, entre outros, extrai-se a “mística” dos “primeiros 100 dias” como marca de

determinação e conhecimento do que deve ser feito. Governos de diferentes partes do mundo

trabalham com este foco quando assumem a gestão. Procura-se um criar um pacote emblemático de leis que reflitam as plataformas de campanha como um tributo de agradecimento ao eleitorado. Aqui no Brasil, temos o exemplo dramático do governo Collor de Mello, com a extinção de ministérios, privatização de empresas e congelamento de poupanças.

A última observação sobre os 100 dias é a que ocorre na troca de comando de uma empresa em

crise.


Neste exíguo prazo, uma nova filosofia de gestão deve ser colocada em prática. Há uma

reconhecida série norte-americana de livros sobre negócios chamada de “Os primeiros 100 dias”.

Ali se aponta um receituário que consta de cinco etapas: 1) Diagnóstico, 2) Medidas de

contenção de gastos, 3) Reorientação das linhas de produção, 4) Política de relacionamento com

credores e fornecedores e, finalmente, o imprescindível 5) Alinhamento de interesses entre

acionistas, gestores e empregados. Este conjunto é conhecido com o pacote de medidas

necessárias para a virada da empresa, ou, em inglês, o “turnaround”.


Os exemplos acima apontados - os 100 dias de Napoleão, o “New Deal” do Presidente Roosevelt

(que acabou se elegendo por três mandatos sucessivos) ou, no contexto empresarial, os

“turnarounds” - consolidaram os 100 dias como algo muito importante. Isto porque consolidou-

se a noção de que existe um problema se ao final de 100 dias as coisas não estão claras, os rumos não estão certos, ainda se discute quem ocupará o posto X ou o posto Y ou a equipe de gestão não está completa.


Vários fatores podem estar contribuindo para isso, mas o mais sério é não se ter planejado o que

era mais urgente começar. Enfim, estamos no dia 87 do atual governo. Faltam 13 dias para que

ocorra o milagre que o Brasil todo espera.


 

Escute!



A Cedro Rosa Digital é uma plataforma de distribuição de fonogramas e licenciamento musical que oferece diversas funcionalidades e vantagens para o campo da música, geração de emprego e renda.


Uma das principais funcionalidades da Cedro Rosa Digital é a possibilidade de distribuir músicas para diversas plataformas digitais, como Spotify, Deezer, Apple Music, entre outras. Isso permite que artistas, gravadoras e produtoras possam disponibilizar suas músicas para um público global, aumentando sua visibilidade e alcance.




Além disso, a Cedro Rosa Digital também oferece serviços de licenciamento musical, o que significa que ela cuida dos direitos autorais e de todas as questões relacionadas à comercialização das músicas. Isso é fundamental para garantir que os artistas recebam o devido pagamento pelas suas obras, além de evitar problemas legais.


Outra vantagem da Cedro Rosa Digital é a possibilidade de gerar empregos e renda para profissionais da música. A plataforma contrata profissionais para atuar em diversas áreas, como produção musical, design, marketing, entre outras.




Por fim, a Cedro Rosa Digital também oferece uma série de ferramentas de análise de dados e métricas para os artistas e gravadoras acompanharem o desempenho de suas músicas nas plataformas digitais. Isso permite que eles entendam melhor o comportamento do público e tomem decisões estratégicas para melhorar seu desempenho e aumentar sua receita.



Grandes nomes da Música do Brasil


Comentarios


+ Confira também

destaques

Essa Semana

bottom of page