O GOZO

te buscaria na curva

da língua

no dedo molhado do beijo

no perfume perdido

atrás da orelha

num toque no bico do seio


buscaria no meio

da coluna

um sopro subindo pelas costas

roçaria as arestas

até encontrar uma passagem

uma paisagem pulsante

até que os dentes