top of page

O CACHORRO QUE SE RECUSOU A MORRER


O cachorro que se recusou a morrer - foto © Fernando Valle


Na peça, a memória afetiva do autor-ator, filho de imigrantes libaneses, mistura tempos e espaços, tocando uma dimensão onírica do real.

O argumento de O cachorro que se recusou a morrer, novo espetáculo multimídia do ator e autor Samir Murad, que divide a direção com Delson Antunes, deriva de suas memórias e das histórias contadas por seu pai: um imigrante libanês em sua luta pela sobrevivência numa terra estranha. Conflito, êxodo, o novo mundo, casamento por encomenda, saúde mental afetada, são conteúdos que, como um mascate andarilho, o ator mambembe carrega em sua mala e que pretende vender ao seu público. Dessas referências nasce um contato intimista e revelador entre artista, teatro e espectador.

– Quero lhes apresentar essa história porque acredito que ela cumpre a função essencial do Teatro: emocionar e provocar uma reflexão sobre a condição humana. Depois da trilogia Teatro, Mito e Genealogia – a partir de uma pesquisa de linguagem cênica, baseada em conceitos e práticas teatrais de Antonin Artaud –, representada pelos meus trabalhos anteriores: Para Acabar de Vez com o Julgamento de Artaud (2001); Édipo e seus Duplos (2018); e Cícero - A Anarquia de um Corpo Santo (2019), proponho com O cachorro que se recusou a morrer uma nova forma de narrativa, mais simples, mais contida e essencial. Meu foco, aqui, é a alma do texto. O diálogo com o público. Por trás de uma cena de família (da minha família), muitos aspectos da cultura árabe – alguns deles em gritantes conflitos com os costumes brasileiros – precisam ser revisitados. Começando pela submissão da mulher, a intolerância religiosa, o poder tribal do patriarca –, declara Samir Murad.

“... e ao longe se escutava o cachorro que se recusou a morrer.”

Trecho de poema do livro o Retorno de Netuno, de Samir Murad.

Um casamento por encomenda e uma tríade formada pelo pai, a mãe e a irmã mais velha, afetada mentalmente (inclusive por internações) pelo casamento sem amor dos pais. Marcas que não desvanecem e perpassam por toda a relação familiar do autor-ator, extraídas não apenas de suas memórias, mas de relatos gravados por seu próprio pai antes de falecer. Conflitos que estão em cada um de nós e ajudarão a resgatar sentimentos no público, por meio de recursos cênicos despojados, apoiados principalmente pelo trabalho de corpo e voz do ator. Assim o texto oscila entre o drama e o humor, trazendo à cena uma cultura machista, forjada em dogmas religiosos que até hoje permeiam a maioria dos lares brasileiros. Em alguns momentos, projeções mesclam imagens criadas com fotos reais antigas, assim como da casa onde tudo se passou, o que acentua o clima dos escombros da memória. A forte presença da trilha sonora, marca a cultura árabe familiar. Não faltam ao espetáculo os gestos, a mímica e as pantomimas que emprestam emoção à palavra.

Colóquio entre libaneses e judeus

Com vistas a promover a aproximação de libaneses e judeus, em uma ação social que tem o Teatro como veículo de discussão para uma temática comum a ambos os povos, que é a imigração e o consequente choque de culturas, no início de fevereiro o espetáculo realizará três apresentações na Associação Sholem Aleichem - ASA, localizado na Rua São Clemente, 155, Botafogo, onde abriga um rico e vasto movimento cultural sempre com temas atuais que promovem discussões sobre o panorama sócio-político e cultural de nossa cidade e por extensão do país. Reforçando essa tendência o espetáculo abrirá um debate público após cada sessão com convidados especializados para o colóquio.

 

Escuta isso!



 


Temporada de estreia e circulação

O cachorro que se recusou a morrer foi contemplado com o patrocínio do Governo do Estado do Rio de Janeiro, Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa do Rio de Janeiro, através do Edital Retomada Cultural RJ2. A temporada de estreia (nacional) acontecerá a partir de 6 de janeiro, no Teatro Brigitte Blair, em Copacabana, próximo a Estação Cantagalo do Metrô. A partir de fevereiro, o espetáculo será apresentado em circulação pelo Município e Estado do Rio de Janeiro. Outras temporadas estão sendo programadas.

 

Escuta isso!


 


Minibio de Samir Murad

Ator de teatro, cinema e televisão, autor, diretor, dublador e professor, Samir Murad é formado pela UNIRIO, com pós-graduação na UFRJ e mestrado pela UNIRIO. No cinema, participou de diversos longas e curtas nacionais premiados. Na televisão, fez inúmeras participações na TV Globo, TV Record, Netflix e Canal Brasil. Trabalhou como dublador na Herbert Richers. Foi professor da Faculdade CAL de Artes Cênicas. Fundou a companhia teatral “Cambaleei, mas não caí...”, que tem, em Antonin Artaud sua principal referência de pesquisa de linguagem cênica e que inaugura com otexto infanto-juvenil de sua autoria Além da lenda do Minotauro, que também dirigiu e que foi publicado. No teatro atuou sob adireção de Augusto Boal, Bibi Ferreira, Sérgio Britto, Miguel Falabella, Sidnei Cruz e Gustavo Paso entre outros. Em 2001, encenou seu primeiro trabalho solo Para acabar de vez com o julgamento de Artaud. Segundo a crítica Bárbara Heliodora, de O Globo, foi um dos dez melhores espetáculos do ano. Em 2008, escreveu e encenou seu segundo solo, Édipo e seus duplos, também publicado. Em 2017, encenou, também de sua autoria, O cão que sonhava lobos, um solo musical infantil, publicado com ilustrações. Em 2019, protagonizou a encenação de Educação Siberiana e estreou seu terceiro solo, Cícero – A anarquia de um Corpo Santo, que encerra a trilogia “Teatro, Mito e Genealogia” e que também virou livro. Em 2020, integra o elenco da novela Genesis da TV Record e apresenta seu primeiro livro de poemas e crônicas. Recentemente integrou o elenco do premiado espetáculo O Alienista (2022), sob direção de Gustavo Paso. Atualmente integra o elenco da nova novela Terra Vermelha, da TV Globo, que será lançada em 2023.

Minibio de Delson Antunes

Delson Antunes é diretor, ator, professor, dramaturgo e pesquisador de teatro. Licenciado em Artes Cênicas pela Universidade de Brasília (UnB), concluiu Mestrado em Teatro pela UniRio, especializando-se em História do Teatro Musical Brasileiro, em 1996. Como ator, diretor e dramaturgo participou de mais de 80 espetáculos teatrais, apresentados em diversas cidades brasileiras.

Ficha técnica

Criação, texto e atuação: Samir Murad

Direção: Delson Antunes e Samir Murad

Cenografia: José Dias

Figurino e adereços: Karlla de Luca

Iluminação: Thales Coutinho

Trilha Sonora: André Poyart e Samir Murad

Videocenário: Mayara Ferreira

Assistente de direção: Gedivan de Albuquerque

Assessoria de imprensa: Ney Motta

Programação visual: Fernando Alax

Fotos: Fernando Valle

Midias: Cia Teatral Cambaleei, mas não caí...

Cenotécnico: Mario Pereira

Costureira: Maria Helena

Direção de produção: Fernando Alax

Produção executiva: Wagner Uchoa

Operação audiovisual: Mayara Ferreira

Operação de luz: Hélio Malvino

Realização: Cia Teatral Cambaleei, mas não caí...

Serviço

Classificação: 10 anos

Duração: 75 minutos

Gênero: Drama bem humorado


Dias 6, 13, 20 e 27 de janeiro, sextas-feiras, às 20h.

Local: Teatro Brigitte Blair

Endereço: Rua Miguel Lemos, 51-H, Copacabana, Rio de Janeiro.

Próximo a Estação Cantagalo do Metrô Rio.

Informações: 21 2521-2955

Valor do ingresso: R$ 50,00 (inteira) e R$ 25,00 (meia-entrada)

Capacidade de público: 200 pessoas

Dias 3, 4 e 5 de fevereiro, sexta, sábado e domingo, às 19h.

Local: Associação Sholem Aleichem - ASA

Endereço: Rua São Clemente, 155, Botafogo, Rio de Janeiro.

Informações: 21 2535-1808

Estacionamento no local.

Ingressos grátis.

Dias 10 e 11 de fevereiro, sexta e sábado, às 19h.

Local: Teatro Popular Oscar Niemeyer

Endereço: Rua Jornalista Rogério Coelho Neto, s/nº, Centro, Niterói.

Estacionamento rotativo ao lado do Teatro.

Capacidade de público: 350 pessoas

Ingressos grátis.


 

Cultura





 

Como registrar e proteger obras musicais?


Proteger suas músicas é uma questão importante e a Cedro Rosa Digital pode ajudá-lo a fazer isso da seguinte maneira:


Ouça essas músicas representadas pela Cedro Rosa Digital.



  1. Registro de música: A primeira etapa para proteger suas músicas é registrá-las. A Cedro Rosa oferece um serviço de registro rápido e eficiente para ajudá-lo a registrar suas músicas e garantir que elas sejam protegidas por direitos autorais.

  2. Certificação de música: Uma vez registrada, a música pode ser certificada pela Cedro Rosa. Isso fornece uma prova legal de que você é o autor da música e que ela está protegida por direitos autorais.

  3. Monitoramento de uso: A Cedro Rosa monitora o uso de suas músicas e garante que você seja compensado adequadamente quando suas músicas são utilizadas por terceiros.

  4. Ação legal: Se alguém estiver usando sua música sem autorização, a Cedro Rosa pode ajudá-lo a tomar medidas legais para proteger seus direitos autorais.

A Cedro Rosa Digital é uma plataforma confiável e eficiente para proteger suas músicas. Ao registrar e certificar suas músicas na Cedro Rosa, você pode ter a certeza de que suas obras estão protegidas e de que você será compensado adequadamente quando elas são utilizadas.

(Texto gerado pelo ChatGPT, com revisão)

 

Cultura


Música para ouvir na praia!



Muita gente curtindo essa playlist de samba! Zeca Pagodinho, Mário Lago, Clube do Samba...



 


Plataforma musical reúne artistas, compositores e usuários comerciais de música, como TV, publicidade, rádios e internet para pesquisar, escutar e licenciar obras certificadas para trilhas sonoras diversas. Qualquer um pode abrir um perfil apenas com nome e e-mail.



Veja como funciona.


Trilhas sonoras que podem ser licenciadas a partir de $ 9 reais, para videos em redes sociais!

Abra agora um perfil na Cedro Rosa Digital.


Comments


+ Confira também

destaques

Essa Semana

bottom of page