Batom Vermelho



Paulo Castro, o Paulinho do Cavaco, na Cedro Rosa.

Horário de verão. Posto seis de Copacabana. Quiosque. Cerveja gelada. Pensamentos livres: um samba do Paulinho da Viola, um poema do Manoel de Barros, o sorriso da netinhas, as ondas do mar, o vento fresco, um tema pra uma nova música...


Ela passou e disse com simpatia: “Olá, professor!” Ele fixou o olhar naquele belo rosto moreno, de sorriso aberto, mas não conseguiu se lembrar de onde a conhecia. Arriscou: minha aluna na faculdade! Ela acenou com a cabeça. Não! Vestibular? Sim. Meu Deus! Bota tempo nisso! Seria, porém, completamente descortês não reconhecê-la. Não quis arriscar e esperou uma dica por parte dela, que, por sua vez, continuava sorrindo e curtindo a sua aflição. Deu um gole na cerveja para ganhar tempo e, tímido, disse: Quer sentar e beber alguma coisa? Ela disse: Puxa, pensei que não fosse me convidar. Quer ficar de frente pro mar? Não. Gosto de ver o movimento do calçadão. Colocou a bolsa em cima do colo e falou para o garçom: uma água tônica, por favor.


 

Escute a musica Quem me Acordou, de Paulinho do Cavaco e Luis Pimentel<