top of page

Arlindo Cruz, um vento de poesia no Samba (Parte 1)


Lais Amaral Jr.


Considero Arlindo Cruz um dos mais inspirados compositores de sua geração. Por sinal, uma geração de muita gente boa. Quando do nosso primeiro “esbarrão” ele ainda residia na Piedade, subúrbio do Rio. Fui lá com o saudoso amigo Luís Carlos Felipe Firmo, que era técnico na Rádio Resende, emissora na qual também comandava um programa de samba e pagode. De ouvinte do programa, virei amigo e colega de trabalho e, um pouco mais tarde, padrinho de casamento do sujeito.

A História começou assim: O programa semanal do Firmo, era frequentado pelo pessoal do samba de Resende e região. Não raro, tinha um grupo tocando ao vivo no estúdio. Quando ficamos amigos, participei algumas vezes do programa e quando ele soube dos meus sambas gravados pelo Bezerra da Silva, um cara que ele adorava, ganhei um pouco mais de prestígio no seu círculo de amizade. Depois ele descobriu mais algumas coisas: a gravação do grupo O Fino do Samba e a composição ‘QG do Samba’ do Pedro Butina, me citando na letra que homenageava compositores da Baixada Fluminense. O suficiente para consolidar nossa amizade. Firmo era um sujeito muito franco, daqueles de dizer tudo na lata, e acredito que ao ter certeza que eu não era um charlatão, me adotou como amigo, mesmo.


Escute a parceria de Mario Lago e Arlindo Cruz, aqui.



É que nascido e criado na região, aos pés da Mantiqueira, Luís Carlos Firmo um típico sujeito simples do interior me vendo como um cara do Rio, com sambas gravados pelo Bezerra, me superestimou e passou a me encarar até, como uma espécie de gazua, que poderia abrir as portas no grande centro, e satisfazer assim, um antigo projeto: levar grandes nomes do samba para seus eventos. Por mais que eu negasse a imagem exagerada que fazia de mim, e jurar que eu não era tudo aquilo, não teve jeito. Um dia, chegou de chofre e disse: “Você conhece o Arlindo Cruz? Consegui um carro com motorista por intermédio de um vereador e nós vamos ao Rio.


Caramba! Eu conhecia o Arlindo, assim como ele, dos sambas maravilhosos do Fundo de Quintal, e depois, junto com Sombrinha. Sou fã de carteirinha, mas não o conheço. Não adiantou. Firmo disse: “Você conhece o Rio, vamos na casa do homem”. E despencamos serra abaixo numa manhã de algum dia de semana. Destino, Piedade, subúrbio da Central. Firmo, muito esperto conseguira o endereço do sambista.

Rodamos um pouco pelo subúrbio até que achamos o endereço. Era uma casa ainda inacabada em meio a um grande quintal. Arlindo nos recebeu numa boa. Sem frescuras e sem pose de grande estrela. Embora já fosse, sim, uma grande estrela. Eu buscava conter minha empolgação por estar diante de um dos meus ídolos. Ele não criou obstáculos para fechar o acordo de abrilhantar a noitada de samba que, Firmo realizaria numa casa noturna de Resende.


Que delicia de Playlist de Samba, no Youtube.


Conversamos amenidades e eu quis saber do Zeca Pagodinho. Havia boatos que andava mal de saúde. Arlindo costumava visita-lo em seu exílio em Xerém e disse que ele mudara. “Geração saúde”. Zeca acordava cedo ia pra cozinha e perguntava já pilotando um liquidificador: “que vitamina o Arlindinho gosta?”, referindo-se ao filho de Arlindo, que naquele tempo era ainda uma criança. Foi assim o primeiro contado com o mestre Arlindo Cruz. Voltamos pra Resende em estado de graça. Continua na semana que vem com Arlindo em Resende.



“O sambista perfeito devia nascer com a luz de Candeia Que animava o terreiro em noite de chuva ou de lua cheia E ainda ser valente sem dar bofetão, cabeçada ou rasteira Mas brigar pela arte, a parte melhor de Geraldo Pereira”

(Sambista Perfeito – Arlindo Cruz/Nei Lopes)


 

Samba é isso!




Êh Minas!


Veja. Que lição!



 

Siga as Redes Sociais da Cedro Rosa.

 

Cedro Rosa cria Plataforma mundial de Música, em 10 idiomas, para gerir direitos autorais e licenciar musicas.




Músicos, compositores, bandas, mídia, produtores de cinema, streaming, TV, publicidade e games em um único ambiente digital, para negócios de licenciamento.



Abra um perfil agora


Plataforma digital permite registro, distribuição e licenciamento de músicas no mundo inteiro. Todo mundo pode escutar músicas e podcasts de graça.



A Cedro Rosa , produtora e distribuidora de conteúdos, com sedes no Rio de Janeiro, New York e Tokyo criou uma plataforma digital de administração e distribuição de músicas no mundo inteiro.


Para ter acesso, como artista, empresa ou simplesmente amante de música, basta abrir um perfil, apenas com nome e e-mail.


A plataforma digital funciona em 10 idiomas e conta com mais de 3 000 mil certificadas, prontas para serem licenciadas para sincronizações diversas em filmes, novelas, audiovisuais, games e publicidades.


Acompanhe nossas redes digitais. https://linktr.ee/cedrorosa


Compositores, bandas e artistas podem registrar suas musicas e fazer contratos de distribuição e licenciamento e empresas da midia como TVs, Radios, produtoras de cinema e conteudo em geral podem licenciar essas obras devidamente certificadas diretamente na plataforma.




+ Confira também

destaques

Essa Semana

bottom of page