top of page

Apesar dos pesares


Luiz Ingles

​​Conhecendo meu espaço como já conheço, tenho que admitir que surpresas são raras quando o assunto trata das manifestações espontâneas da natureza. Esta frase carrega um engano lamentável, inserida de pretensa auto-suficiência e empáfia que não coaduna com quem vive  no interior, onde nós, seres humanos somos parte e não senhores. 


​​Nossa inteligência (eu disse inteligência?) cartesiana nos ludibria tornando ridícula qualquer tentativa de domínio dos movimentos naturais e do fluxo dos deslocamentos dos eventos e ocorrências características do nosso planeta. Achamos, estupidamente, que controlamos os processos da física e da química que desencadeiam nos acontecimentos que, como mostra a realidade, resultam nas hecatombes que vemos mundo afora. Sejam temporais, inundações, quedas de barreiras, incêndios, ventos anormais, tsunamis, furacões, secas, desequilíbrios ambientais, pandemias, devastações, derretimento das calotas polares, super El Niño ou La Niña, tempestades de areia, dilúvios em pleno deserto de Saara, poluição do ar e do mar, microplásticos envenenando a vida marinha, temperaturas que se elevam, mercúrio poluindo rios, a lista é enorme ... e nós, imbecis que somos, nos achando superiores.


​​O ser humano se dissociou da Natureza. Acreditou burramente que não fazemos parte do natural. Usamos a natureza para nosso uso exclusivo e egoísta. Não bastaram os inúmeros alertas da ciência, a ganância falou mais alto. Os resultados estão sendo vistos a cada dia pela TV. 


​​As grandes cidades são aberrações. Depois de uma chuva inexistem locais por onde as águas possam escoar e penetrar de volta ao solo. O consumo desenfreado de toda e qualquer matéria-prima só piora a situação planetária. Mas a cobiça é mais urgente. E assim caminha a humanidade... O carro elétrico não polui mas as minas para para a captação dos materiais para suas baterias acaba sendo mais poluentes e emitem mais CO2 do que os carros a combustão.


​​As hidrelétricas – apesar da energia dita “limpa” – inundam áreas imensas, deslocam populações ribeirinhas, destroem vegetação natural, causam assoreamento do leito dos rios, causam desmoronamento de barreiras, extinção de peixes, causando grande impacto ambiental gerado na construção das barragens.


​​Morando na roça sou testemunha, em pequena escala, dos infortúnios que acometem nosso planeta. Vi um vizinho que, para tornar suas estrada de terra mais nivelada, retirou com uma retro-escavadeira, uma protuberância rochosa que aflorava na superfície da dita estrada. Algo do tamanho de uma bola de basquete. A parte que estava abaixo do nível era do tamanho de um fusca. Ao invés de aplainar apenas a protuberância, retirou toda a rocha. Depois a máquina alisou a estrada e o serviço ficou “dez” como dizem na região que moro. Meses depois, na primeira grande chuva, a estrada desceu inteira naquele ponto, já que a pedra que segurava o barranco não estava mais lá e o peso da terra encharcada não resistiu e desceu com tudo.  


​​De outra feita, para melhorar a vista de sua casa, um “neo-rural” (urbanoide cheio de certezas, recém-chegado à zona rural) cortou uma barreira de árvores que os antigos haviam plantado, para justamente fazer a contenção dos ventos naquele ponto. A experiência diz que para cada metro de altura, a proteção é de três metros lineares. Uma árvore de 20 metros, por exemplo, protege 60 metros de espaço adjacente. Conclusão, alguns anos depois, num vendaval, o vento sem obstáculo levou o telhado todo da casa, agora, com a linda vista.


​​Somos parte da natureza, e uma parte bastante frágil. Todo progresso dever vir inexoravelmente acompanhado do respeito e entendimento com a natureza.


​​Sempre me referi – e fui bastante criticado – por conta de minha postura contra o movimento “Save the Planet”. O planeta está pouco se lixando para nós. Bastam mil anos sem a civilização humana que tudo volta às origens. O ar se purifica, a água se torna cristalina e a Terra continua a girar, girar em torno do sol. Temos é que nos salvar: a nós! 

 

Luiz Inglês 

Bananal-SP

Maio de 2024


 

Inovação e desenvolvimento na música



​​A Cedro Rosa Digital está impactando o mercado internacional da música de várias maneiras, especialmente através da certificação de obras e gravações. Aqui estão algumas maneiras pelas quais eles estão contribuindo para o desenvolvimento socioeconômico, emprego e renda na cadeia produtiva da música:

  1. Certificação de Obras e Gravações: A certificação de obras e gravações pela Cedro Rosa Digital ajuda a garantir que os direitos autorais sejam protegidos e respeitados, o que é essencial para artistas e compositores receberem a devida compensação pelo seu trabalho. Isso promove a confiança dos investidores e colaboradores no mercado da música, estimulando o crescimento e a inovação.

  2. Acesso a Mercados Internacionais: Ao oferecer certificações reconhecidas internacionalmente, a Cedro Rosa Digital facilita o acesso das obras e gravações brasileiras aos mercados internacionais. Isso não só amplia as oportunidades de exposição para os artistas, mas também pode gerar receita adicional por meio de vendas de música, licenciamento e outras formas de distribuição global.

  3. Desenvolvimento da Indústria Musical: A certificação de obras e gravações eleva os padrões de qualidade e profissionalismo na indústria musical, incentivando investimentos em produção, gravação, mixagem e masterização. Isso cria uma demanda por talentos e serviços especializados, gerando empregos para músicos, engenheiros de som, produtores e outros profissionais do setor.

  4. Fomento de Novos Talentos: Ao oferecer uma plataforma para a certificação de obras e gravações, a Cedro Rosa Digital abre portas para novos talentos emergentes. Isso pode incluir artistas independentes, produtores independentes e selos musicais independentes que de outra forma poderiam ter dificuldade em se destacar em um mercado competitivo.

  5. Estímulo à Economia Criativa: A música é uma parte fundamental da economia criativa, e ao fortalecer a indústria musical, a Cedro Rosa Digital contribui para o crescimento desse setor econômico. Isso não só impulsiona a atividade econômica direta relacionada à música, mas também tem efeitos positivos em setores relacionados, como turismo, mídia e entretenimento.



No geral, a Cedro Rosa Digital está desempenhando um papel significativo no desenvolvimento do mercado internacional da música, ao mesmo tempo em que promove o crescimento econômico e social para todos os envolvidos na cadeia produtiva da música.


​​

0 comentário

Comments


+ Confira também

destaques

Essa Semana

bottom of page