top of page

“8 de Janeiro: Jamais fomos modernos”, Centro Cultural Justiça Federal, no Rio de Janeiro.


Centro Cultural Justica Federal_fonte: Divulgação

  • Classificação indicativa: livre

A exposição, que traz 10 telas em acrílica de diversos tamanhos inspiradas no estilo modernista muralista, retrata a visão de Frechette sobre a investida aos ícones modernistas depredados na invasão ao Congresso, como a tela de Di Cavalcanti, a escultura da Justiça de Alfredo Ceschiatti, os azulejos e o muro escultórico de Athos Bulcão, a pichação na escultura da Justiça de Alfredo Ceschiatti e os prédios projetados por Oscar Niemeyer.



Todos amam essa playlist de sambista da Cedro Rosa, no Youtube.



A data foi marcada pela manifestação anti-democrática — que, para muitos se tratou de uma tentativa de golpe de Estado —, realizada por um grupo de pessoas que invadiu e depredou o Palácio do Planalto, o Superior Tribunal Federal (STF) e o Congresso Nacional, bem como as obras de arte modernistas que ocupavam esses locais, em Brasília.


Hoje, esse ato ganha contornos recentes com os julgamentos no STF de parte dos envolvidos, com alguns réus já condenados por abolição violenta do Estado Democrático de Direito, golpe de Estado, dano qualificado, deterioração de patrimônio tombado, entre outros crimes. Além do esforço em punir os culpados, no lado da justiça, o assunto também reverberou na arte e cultura, servindo de inspiração para o trabalho de Alex Frechette, artista visual e doutorando em Artes pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). O título da exposição é uma alusão a Jamais Fomos Modernos, um dos livros mais famosos do renomado antropólogo e filósofo francês Bruno Latour, em que ele critica a concepção tradicional de modernidade que separa natureza e cultura frente a uma ‘proliferação dos híbridos’.


Segundo Frechette, os danos parecem questionar o próprio projeto de modernidade, exigindo uma análise da relação entre ação, cultura e contexto histórico. Ao retratar as cenas de destruição no estilo dos primeiros artistas modernistas, a ideia do autor é refletir o repúdio aos eventos que levaram a uma tentativa de golpe de Estado e se debruçaram sobre noções tradicionais de progresso.


 

Violão brasileiro contemporâneo, escute essa playlist da Cedro Rosa Digital.



 

“Transeunte”

  • Curadoria: Alexandre Sá

  • Classificação indicativa: 12 anos

Em sua primeira individual no Rio, André Baía, artista visual paulistano radicado em Curitiba, apresenta uma seleção de 17 pinturas e um objeto, em ambiente instalativo. A exposição reflete o trânsito do artista por diferentes culturas e aponta para questões relacionadas às influências simbólicas que marcam a cultura visual brasileira, como a cultura afro-brasileira. A produção, com curadoria de Alexandre Sá, propõe apresentar a atual paisagem cultural brasileira, feita de uma mistura de referências com raízes históricas que funcionam como um disparador criativo. Vem daí a apropriação, expressa nas telas, que repensa a tradição pictórica, com um contrapondo baseado no universo pop. O resultado instiga o público a uma espécie de plataforma de reflexão crítica. André Baía explica que o colonialismo e o imperialismo cultural estão intrinsecamente ligados ao consumo, sobretudo o das imagens. Além disso, ele destaca que a violência inerente à produção pode ser vista como uma metáfora que simboliza a desconstrução de um legado eurocêntrico. “A obra de Baía promove um comentário abrangente sobre a diversidade social, racial e econômica que nos erige como país atualmente, reforçando a possibilidade de existência democrática dentro de uma sociedade múltipla como a brasileira”, salienta o curador, Alexandre Sá. Durante a temporada, serão realizadas visitas públicas mediadas e uma mesa redonda com participação do artista e do curador. “Urucum: a natureza é Queer”

  • Curadoria: Emanuel M. M. de Castro

  • Classificação indicativa: livre

“Urucum: a Natureza é Queer” retrata uma performance realizada pela artista paraense Rafael Bqueer, tendo como meio de interação o projeto de Agrofloresta Borboleta Azul, sob direção de vídeo de André de Castro e texto de curadoria de Emanuel Matos de Castro. O curador destaca que o trabalho é uma espécie de manifesto contra os essencialismos. “É um manifesto contra o modo moderno ocidental de conceber o mundo através de identidades que nos definem e nos aprisionam mesmo antes de nascermos. Pior: ao nos isolarmos em determinadas propriedades essenciais, trancamos os mundos, as possibilidades e os acasos atribuindo valores definitivos transcendentes e criando hierarquias entre as entidades”, reflete. A artista propõe levantar a discussão sobre essencialismos pré-estabelecidos na sociedade, que tendem a definir papéis sociais, modo de ser e agir das pessoas, e uma ‘moral superior’. Mas aqueles que não seguem padrões e, inclusive, os enfrentam são, muitas vezes, considerados anormais. Por isso, costumam enfrentar a dificuldade de sobreviver em um mundo constituído por hierarquias e preconceitos. “São os que contemporaneamente chamamos de queer, os bizarros. Ser queer é desafiar binarismos e rejeitar caminhos pré-determinados. Seu caminho não é pré-definido, é construído pelo meio e não pela origem, nem com finalidades definitivas. Ser queer é lutar contra as hierarquias pré-estabelecidas”, conta Emanuel de Castro. Outras obras da artista Rafael Bqueer integram acervos do Museu de Arte do Rio (MAR) e do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM). “Matrizes”


Paula Scamparini e Aida Sarduy, cineasta e antropologa cubana

  • Curadoria: Ioana Mello

  • Classificação indicativa: livre

Na mostra, a artista multimídia Paula Scamparini apresenta o vídeo-instalação ‘Ninar’ e as fotografias da última série produzida por ela, denominada ‘Carregadoras’. ‘Matrizes’ questiona visões de mundo através de uma perspectiva feminina e aprofunda uma pesquisa sobre formas coletivas de viver, maternidade e novos mundos produzidos pela mulher. A artista é graduada em Artes Visuais (Unicamp), Mestre e Doutora (UFRJ). Atualmente é professora na Graduação em Artes Visuais/Escultura da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Além do Brasil, já expôs em países como México, Espanha, Alemanha e Áustria. Para mais informações sobre as mostras, que estarão no CCJF, acesse: https://www10.trf2.jus.br/ccjf/ Atendimento à imprensa: Centro Cultural Justiça Federal (CCJF) E-mail: imprensa.ccjf@trf2.jus.br Telefone: (21) 3261-6432

SERVIÇO: Abertura: 28/10/2023 Período de visitação: 28/10/2023 a 7/01/2024 (de terça a domingo) Horário: das 11h às 19h Valor: gratuito Local: Galerias do CCJF Centro Cultural Justiça Federal: Endereço: Avenida Rio Branco 241, Centro - Rio de Janeiro - RJ Telefone: 55 21 3261-2550


 

A interseção entre Cultura, Economia Criativa e Artes Plásticas é um motor vital para o crescimento econômico e o desenvolvimento cultural das sociedades.


As Artes Plásticas fornecem uma plataforma criativa para a expressão cultural, inspirando a inovação em indústrias criativas. Essa simbiose alimenta a Economia Criativa, gerando empregos, receitas e atraindo turistas.


A Cedro Rosa Digital, um exemplo fascinante desse fenômeno, está impactando positivamente o mercado de música independente globalmente. Esta plataforma inovadora conecta músicos independentes com públicos em todo o mundo, permitindo que artistas promovam e vendam sua música de maneira eficaz. Ao fazer isso, ela empodera talentos emergentes e fortalece a diversidade musical, contribuindo para a evolução da cena musical independente.


Esse casamento de criatividade, tecnologia e empreendedorismo exemplifica o papel crucial das indústrias culturais na economia global e no progresso cultural.



Comentarios


+ Confira também

destaques

Essa Semana

bottom of page