Vivendo em um aeroporto, mesmo sem ter passaporte



Não, não estou falando do filme “O terminal” de 2004, onde o ator e cineasta norte-americano Tom Hanks interpreta um cidadão da Europa Oriental que ao chegar aos Estados Unidos tem seu passaporte invalidado e por esse motivo não consegue entrar no país.


Por não conseguir retornar devido o fechamento das fronteiras ele se vê obrigado a passar meses vivendo no aeroporto.

E por que estou falando sobre isso nesse artigo?


Porque temos vivido dias tão difíceis no Brasil que a sensação que tenho é que estamos vivendo em um aeroporto, mas com um agravante, muitos sequer têm passaporte, tampouco carteirinha de vacina, muito menos condições para embarcar rumo a outros lugares.

Quem já viajou de avião sabe muito bem o que estou querendo dizer, um café simples e um pão de queijo pode te custar um rim, e não são poucas as histórias de como as coisas são caras lá dentro.



 

Vamos de MPB ? Escute esta Playlist!

 

Estacionamento, um absurdo, alimentação, outra paulada, e não vamos nem entrar no maravilhoso mundo Duty Free, afinal com o dólar passando da casa dos cinco reais até aquele Lindt maravilhoso custará os olhos da cara.

Para quem nunca viajou de avião é preciso fazer algumas considerações antes de seguirmos.

O custo para alimentação e consumo em um aeroporto é muito acima do custo para os meros mortais que estão do lado de fora.


Certa vez no aeroporto de Lima eu pedi um misto quente e um suco de laranja, R$80,00 na conversão, mas como disse uma vez um amigo meu, “quem converte não se diverte”, tudo bem, mas convenhamos isso foi há uns dois anos, e tenho certeza que se voltar hoje para lá o preço praticado não será muito diferente.

Enfim, para quem não teve a oportunidade de vivenciar essa experiência em um aeroporto, acho que pode ter uma ideia de como é, mesmo não estando em um.


Ficou confuso(a)?

Eu explico.


Abasteci meu carro agora pela manhã, “seis reais” o litro da gasolina, e abasteci com gasolina porque não está compensando abastecer com Etanol, e olha qu