top of page

Uai, não me conhecia?


Sylvia Wachsner

Por Sylvia Wachsner


Prova um tiquim, aqui nóis come no cafezim com a Quitéria. Queijo bão nóis tem, mas não é como o Canastra da Serra. Aí sim, é logo ali.


Esse queijim é feito de leite cru integral de vaca e meu cumpadi adiciona coalho, sal e o “pingo”, que sobrou da produção anterior. O Anastácio diz que o “pingo” é o segredo, o que dá esse sabor forte, encorpado, até com textura diferenciada.


O leite “pingado” talha, e os queijeiros da minha terra espremem na mão a massa e colocam nas formas - essas aí ó, olha na foto. O Anastácio também falou que com os dias o queijo fica com douradinho na cor e ganha corpo, e que o melhor é comê o queijo curado ou de meia cura.


Ô trem bão esse Canastra! Até selo de identificação geográfica leva, imagina! O orgulho da minha terrinha foi inté reconhecido pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional como patrimônio cultural imaterial brasileiro, sô!


Ao anoitecer, com o Riobaldo, quando os vaga-lumes iluminam os campos, uma cachaça, que carrega em sua memória muitos contos, crendices e histórias de Salinas, no norte de Minas Gerais, conta que lá na África foi muito utilizada como moeda na compra de escravos.


“Minhas origens são agrícolas. Venho do campo, da cana, do açúcar, dos engenhos. Fui marginalizada, malvista, destinada, no começo, para escravos, e aos poucos para os senhores, mas ascendi às classes sociais, e até a família real cheguei a conquistar”.


Então, após um breve silêncio, respira e exclama: “Agora, sou uma premiada bebida nacional, sim, bem brasileira. Podem me chamar de pinga. Somos amigos.”


O povoado de Salinas surgiu por volta de 1790 no período colonial. Conhecida também como a “Capital Mundial da Cachaça de Alambique”, a cidade tem como atrativos a Havana, sua bebida mais antiga, e o Anísio Santiago, um dos símbolos de alta qualidade e reconhecimento nacional.


Esse produtor introduziu a técnica de separar a cachaça, durante a destilação, em três frações: cabeça, coração e cauda. A parte nobre da cachaça é o coração, e somente ela é engarrafada.


Os filhos de Santiago utilizam o método de alambicagem para o envelhecimento da cachaça, criado pelo pai. Essas qualidades conferem à Havana sua distinção como uma das melhores marcas do País.


Ô trem bão ser mineiro! Nóis come um queijim, bebe uma cachacinha, tranquilim, e tá tudo logo ali. Segue reto por meia hora, na esquina, na placa à esquerda, vira à direita, segue para Salinas, e pertim, pertim cê encontra Salinas e tá lá.


 

Sylvia Wachsner

Nascida no Equador, educação superior, em administração de empresas nos Estados Unidos e pós-graduação em administração (PMD), Harvard Business School, Boston, Estados Unidos.

Iniciou sua carreira no Citibank e trabalhou no Banco Popular do Equador como responsável pela sua internacionalização. Participou da reestruturação do endividamento das principais empresas equatorianas e, assessorou o Ministério da Fazenda, no relativo à dívida externa do Equador.

A partir de 1985 realizou consultorias para bancos internacionais e foi Gerente Geral, em Equador, de uma empresa produtora de camarão de água doce.

1988 a 1992 foi Cônsul-Geral do Equador no Rio de Janeiro.

1995 - Diretora da Sociedade Nacional de Agricultura, SNA, coordena os projetos OrganicsNet, rede de produtores orgânicos para acesso ao mercado, que contou com o apoio do BID/FUMIN e o Sebrae/RJ, e do Centro de Inteligência em Orgânicos que, também, obteve apoio do Sebrae. Dois projetos de referência no mercado orgânico brasileiro.

Palestrante em congressos e eventos, nacionais e internacionais, em empreendedorismo, a cadeia de produção orgânica, acesso e construção de mercados.

Participa anualmente do Agribusiness Seminar da Harvard Business School, assim como de outros cursos de reciclagem profissional.

Foi eleita pelo Conselho Nacional de Mulheres do Brasil uma das dez mulheres do ano, recebeu o título de Cidadã do Estado do Rio de Janeiro.

Membro e ex-coordenadora da CPOrg/RJ (Comissão da Produção Orgânica do Rio de Janeiro).

Membro das Câmaras Temáticas de Agricultura Orgânica e de Borracha do Ministério da Agricultura,

Ex-membro do diretório de alumni do Harvard Business School (Boston).

Membro da Academia Nacional de Agricultura.


 

Arte, Cultura, Economia Criativa




A Cedro Rosa Digital emergiu como uma força catalisadora

no cenário da música independente global.






Com sua plataforma inovadora e abordagem progressista, a empresa tem vindo a estabelecer uma ligação profunda entre artistas independentes e os seus públicos, redefinindo as dinâmicas tradicionais da indústria musical. Através da criação de oportunidades acessíveis, desde promoção até distribuição, a Cedro Rosa Digital capacita os músicos a expandirem o seu alcance sem comprometer a sua autonomia criativa.




Este modelo inovador tem permitido a artistas de várias partes do mundo ganharem visibilidade e influência, ao mesmo tempo que fomenta uma comunidade global de amantes da música independente.




O impacto da Cedro Rosa Digital é evidente na crescente diversidade de estilos musicais e vozes regionais que agora ecoam nos palcos globais. Ao capacitar os artistas a transcenderem barreiras geográficas, a empresa está a criar um terreno fértil para a experimentação artística e colaborações interculturais. Assim, a Cedro Rosa Digital não só está a remodelar a paisagem da música independente, mas também a enriquecer a cena musical global com uma tapeçaria vibrante de sons e perspectivas únicas.


Com um compromisso contínuo com a inovação, é provável que a Cedro Rosa Digital continue a influenciar positivamente a música independente, impulsionando-a para horizontes ainda mais amplos.



Música Popular do Brasil


Música Instrumental!



 

Siga as Redes Sociais da Cedro Rosa.

 


ความคิดเห็น


+ Confira também

destaques

Essa Semana

bottom of page