top of page

PARA ELE


Marlos Degani

 

Caro Deus,


Tudo beleza? Escrevo aqui do Rio de Janeiro, o Senhor deve saber, lógico, então, por favor, não repare esse jeitão meio informal. Com todo o respeito, falou Irmão?


Resolvi abreviar a burocracia celestial e pular todos os Seus santificados assistentes para falar diretamente com o Senhor. Não é reclamação velada, mas sim em relação a algumas coisas que estão acontecendo. O meu nível de satisfação com o Seu governo é positivo. O Senhor sabe das minhas escapadinhas para ambientes, digamos, nada recomendáveis e, mesmo assim, os Seus mensageiros estão lá, firmes, olhando e zelando por mim e pelas pessoas amadas, dando-nos saúde e harmonia.


Sei também que o Senhor anda ocupadíssimo lá no Oriente Médio e na Ucrânia, preocupado com as maluquices do Elon Musk, e desolado com a fome no planeta — matando gente que sequer pode sonhar com três refeições por dia. Deve ser embaraçoso, para não dizer complicado, ser o “Presidente” do universo e não poder resolver tudo de uma hora para outra, né? Sabemos: nada pode ser feito com pressa. Tudo a Seu tempo.


Entendo o Seu momento, mas, Vem cá, a gente sabe da Sua nacionalidade tupiniquim (pelo menos é o que falam por aí desde que me entendo por gente), e vejo-me obrigado a lembrá-Lo de umas coisas: O Senhor sabe que o Brasil está enfrentando situações muito graves, e que por aqui ninguém se entende. O presidente que foi eleito para defender a democracia, faz acenos à ditadura da Venezuela e, quando abre a boca, é um Senhor nos acuda;  o outro que saiu quase fugido para os EUA, deixou rombo nos cofres públicos a fim de se reeleger — não conseguiu — e ainda tentou dar golpe de estado (O Senhor não deixou e mexeu os seus pauzinhos, né?).


O negócio está feio, Professor! Até quando ficaremos reféns de “pais” da nação, em vez de escolhermos um presidente equilibrado e com compromisso sério com o Brasil e com os brasileiros? Quando teremos sistemas educacionais de verdade e escolas públicas de qualidade que deem chances aos menos favorecidos para conquistarem uma formação decente e cidadã? Se você não apoia o vermelho é porque apoia o azul, confusão dos dia... Desculpe. Uma confusão sem precedentes.


Pois é, Amigão,  dá uma passadinha mais demorada por aqui — renova o passaporte diplomático. As coisas estão emboladas. Complicadas. Até na seleção brasileira (pode admitir, o Senhor adora aquela amarelinha), os nossos craques estão num cadafalso. O Dorival acabou de assumir o escrete canarinho. Cuida deles e faz a seleção reaproximar-se da gente! Cala a boca do Neymar, por favor. E, se der, acerte a CBF com um meteorito.


Assim, fico meio sem jeito, meio envergonhado, mas o Senhor podia liberar uma Mega-Sena pra gente. É para bons motivos, juro pro Senhor. Prometo ajudar muita gente e ser um bom moço (até melhor do que tento). E nem precisa ser a acumulada. Na humildade, sempre.


Só mais um favorzinho: se encontrar o meu pai por aí, o Carlos, o João, o Paulo, o Mário, o Manuel, o Vinicius, o Tom, o Tim, a Nara, o outro João e o outro Mário, o Ivan, a Rita e a Gal, dê um abração em todos eles. Diga, também, que estão fazendo muita falta por aqui.


Um abraço afetuoso de agradecimento,

do seu,


Marlos Degani


 

A Economia Criativa tem sido um motor de desenvolvimento humano, social e econômico, impulsionando a geração de renda e empregos.




Artes visuais, literatura, audiovisual, design, moda, música, gastronomia, entre outros segmentos fazem parte da Economia Criativa.


A Cedro Rosa Digital desempenha um papel crucial nesse contexto, ao certificar e distribuir obras e gravações musicais mundialmente, ampliando a visibilidade e os ganhos dos artistas. Através de filmes como "Partideiros" e o atual longa "+40 Anos do Clube do Samba", em parceria com a TV Cultura de São Paulo, a Cedro Rosa Digital não apenas enriquece a cultura, mas também gera empregos e renda.




A ferramenta de certificação e distribuição da Cedro Rosa Digital permite que milhares de artistas recebam direitos autorais em todo o mundo, fortalecendo as cadeias produtivas da música.


Essa iniciativa não só valoriza o trabalho dos artistas, mas também estimula a criação e a produção cultural. Assim, a Economia Criativa, com empresas como a Cedro Rosa Digital, demonstra seu impacto positivo ao impulsionar a cultura e a economia globalmente.

0 comentário

Comments


+ Confira também

destaques

Essa Semana

bottom of page