top of page

Deus gosta dos empreendedores?



Em A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo o grande sociólogo, talvez o maior deles, Max Weber, alemão , explora a possível relação entre os dois conceitos. Recentemente porem Gustavo Franco, com o seu habitual brilhantismo, levantou, numa palestra, a ideia que talvez a maior contribuição da igreja reformada, tenha sido a alfabetização da população para ler a Bíblia até então apenas disponível em latim. A alfabetização e o domínio da linguagem são poderosos estímulos para o desenvolvimento da educação e para o domínio de raciocínios lógicos. O progresso da Alemanha assim guarda uma certa dívida a Lutero que traduziu a Bíblia do latim para o alemão e criou as escolas dominicais para alfabetizar a todos. Dívida, nem tanto pela contribuição religiosa , mas pelo domínio da ferramenta cultural.

A religião tem o seu papel também na questão política, como aponta um livro recente do sociólogo Juliano Spyer, brasileiro, O Povo de Deus , que está despertando grande atenção. O livro trata de vários aspectos da expansão das igrejas evangélicas pentecostais e neopentencostais no Brasil. É uma expansão que se deu de forma acelerada nos últimos 50 anos e hoje desperta uma grande preocupação nos meios políticos de esquerda, pois o incentivo ao progresso pessoal, ao empreendedorismo, à contribuição de dízimos significativos é um aspecto relevante. E isso o PT não gosta ...


Qual sua fé? Escute a playlist sobre temas afrobrasileiros aqui na Spotify.


Hubert Alquéres , Educador, Editor, Professor e Homem de cultura de São Paulo recentemente escreveu um brilhante artigo sobre o tema , que postou no seu Facebook, analisando o livro como fenômeno político. O que faço aqui é um breve registro do quanto indesejável pode ser a aproximação entre religião e política, tema que abordam os mencionados autores. Essa aproximação não tem nada de novo na História. Poder temporal e poder espiritual sempre andaram, ora mais perto ora mais distante um do outro, desde as mais antigas civilizações. O que ocorre é que o advento dos regimes democráticos, com a sua liberdade de credo e agora da globalização do mundo, com as migrações e convivência de pessoas das mais variadas etnias e culturas, apontam que as sociedades devem favorecer a pluralidade, e manter estes dois poderes bem independentes entre si.



Grandes cantoras, nesta playlist no Youtube.


O Estado deve ser orgulhosamente laico e especialmente trabalhar a tolerância e a aceitação da diversidade como uma grande conquista no plano dos direitos humanos. Tudo, aliás, que não se vem fazendo neste nosso país. O risco para democracia. como aponto no meu livro 3.000 Anos de Politica, Edições de Janeiro é que a religião é o território das certezas reveladas aos seus crentes, enquanto a política, em contraposição, é o território das incertezas, dos relativismos , da composição de interesses efêmeros. Num mundo onde ser empreendedor cada vez mais será a tônica este fato incomodar alguns segmentos da esquerda é um problema. Como já é a aproximação de bancadas evangélicas ao jogo político clientelista do Centrão, tão forte em nosso Congresso. Com a cenoura de atrair eleitores evangélicos, através da disponibilização das benesses de emendas a seus representantes parlamentares , estaremos caminhando em direção a ser um país de aiatolás, o que não interessa aos verdadeiros líderes espirituais dos evangélicos ou de qualquer outra religião.

A expressão eleitoral evangélica, baseada na sua bancada turbinada pelos fundos partidários, certamente nos fará ver, neste ano eleitoral, uma abundante safra de leis e exacerbada defesa de uma pauta de costumes discriminatórios de minorias. Os exemplos apontados mostram que ao misturar religião com política pode-se estar levando o país a uma mentalidade retrógrada e intolerante por um lado, convivendo com uma abertura para a modernidade econômica por outro. Não é um jogo onde uma coisa compensa a outra.

O nosso dever democrático é favorecer o que determina a Constituição - uma sociedade laica e contemporânea, onde as pessoas possam exercer a sua criatividade e liberdade, como aliás Deus, desde sempre, conferiu tais direitos a Adão e seus descendentes.

 

Ouça!


Café musical, a playlist da Spotify.


 

Mário Lago por Luis Melodia, by Cedro Rosa. Nas plataformas de streamng.


Samba!



CD Roda de Samba do Bip Bip



 

Siga as Redes Sociais da Cedro Rosa.

 

Cedro Rosa cria Plataforma mundial de Música, em 10 idiomas, para gerir direitos autorais e licenciar musicas.



Músicos, compositores, bandas, mídia, produtores de cinema, streaming, TV, publicidade e games em um único ambiente digital, para negócios de licenciamento.



Abra um perfil agora


Plataforma digital permite registro, distribuição e licenciamento de músicas no mundo inteiro. Todo mundo pode escutar músicas e podcasts de graça.



A Cedro Rosa , produtora e distribuidora de conteúdos, com sedes no Rio de Janeiro, New York e Tokyo criou uma plataforma digital de administração e distribuição de músicas no mundo inteiro.


Para ter acesso, como artista, empresa ou simplesmente amante de música, basta abrir um perfil, apenas com nome e e-mail.


A plataforma digital funciona em 10 idiomas e conta com mais de 3 000 mil certificadas, prontas para serem licenciadas para sincronizações diversas em filmes, novelas, audiovisuais, games e publicidades.


Acompanhe nossas redes digitais. https://linktr.ee/cedrorosa


Compositores, bandas e artistas podem registrar suas musicas e fazer contratos de distribuição e licenciamento e empresas da midia como TVs, Radios, produtoras de cinema e conteudo em geral podem licenciar essas obras devidamente certificadas diretamente na plataforma.



Comments


+ Confira também

destaques

Essa Semana

bottom of page