top of page

Bezerra da Silva. O malandro amigo (1)


Lais Amaral Jr.


Bezerra da Silva é uma história a parte. Ele gravou dois sambas que fiz em parceira com os compositores Pinga e Guilherme do Ponto Chic. Eles integravam a ala de compositores da Leão de Nova Iguaçu, uma escola de samba que nascera do bloco Leão de Iguaçu, agremiação que fez história nessa categoria. Os dois também pertenciam à ala de compositores da Estação Primeira de Mangueira. Isso pra mim já foi uma honraria. Mas como um poeta mediano de Nova Iguaçu, que pouco ou nada conhecia dos meandros e descaminhos do complexo mundo fonográfico, seria gravado por um dos grandes nomes do Samba? Voltemos alguns parágrafos.


O Samba (e a música em geral), esteve presente na minha vida desde sempre. Meus avós, meus pais, meus tios, tinham no rádio um companheiro quase inseparável. Ouvia-se de tudo e o dia inteiro. A indústria fonográfica daquele tempo parecia menos feroz que nos tempos que vieram depois. Éramos uma família musicalizada e não eram raras as noitadas de ‘arrasta-pé’ lá em casa. Meus pais adoravam.



 

Siga a Cedro Rosa.

 

A afeição pelo Carnaval, outra mania da família, acabou me levando a frequentar ambientes de Samba como bares, quadras de blocos e de Escolas de Samba. E nesse caldo, acabei seduzido também pela arte de compor. Como não dominava nenhum instrumento, arriscava minhas próprias melodias de forma intuitiva. Um dia li uma entrevista em que a Leci Brandão dizia como compunha. Ela andava com um gravador e quando brotava algum tema ela gravava pra não esquecer e, depois trabalhava em cima. Não tocava nada também. Isso me animou muito. (Ler é fundamental).


A insegurança e a timidez me impediam de mostrar alguma coisa a alguém, ou de propor parceria, de que eu tanto precisava. Limitava-me então a fazer música sobre amigos e outros temas. Até que me aproximando de uma turma legal, de intérpretes e compositores do já citado, Leão de Iguaçu, arrisquei a primeira parceria. Mostrei uma letra ao Mário Carabina, compositor do bloco, uma pessoa muito sensível e acessível. Ele mexeu na letra, junto com Jairo Bráulio, também compositor e intérprete daquela agremiação. Daí nasceu Doce Olhar, um samba tipo balada que fez sucesso nas rodas de samba e que frequentou o repertório de shows de um grupo musical que começava a estourar na praça e já com discos gravados, o ‘Pirraça’. Mas o samba só foi gravado depois, no ‘Embaixada do Samba’, mas aí já é outra história.


Retornando ao Bezerra. Já acreditando que podia fazer letras aceitáveis, passei a sonhar mais alto. Escrevi uma letra que imaginava, ou delirava, que pudesse ser gravada pela Beth Carvalho. Naquele tempo eu já conhecia o Guilherme do Ponto Chic. Dei pra ele a letra. Justamente numa época, em que trocava a Baixada por Angra dos Reis. Um vendaval na vida me empurrou para outros ares (e bares). Fui trabalhar na Rádio Angra e no Jornal Maré, de propriedade do João Carlos Rabello, empresário do ramo de comunicações local. Um dia recebo um telefonema do Guilherme, que quase me faz cair da cadeira: “O Bezerra da Silva vai gravar A Vida do Povo, o nosso samba”. Eu flutuei no ar. Guilherme e Pinga, este eu fui conhecer mais tarde, mexeram na letra e colocaram música. Por intermédio de um canal com a turma do Bezerra, o samba fora aprovado e gravado. No dia de assinar o contrato, uma comédia... (continua semana que vem)


“Mas é que a vida do povo / Ela é um jogo e ele nunca bate

Nem ao menos arranja um empate / Só apanha que nem boi ladrão” (A Vida do Povo – Pinga/Guilherme do Ponto Chic/Laís Amaral Jr.)


 

Roda de Samba


Nova Sede da Cedro Rosa, em 2022.


Humor: Bonsomínions terão suas mentes estudadas pela NASA.




Amo Samba!!!




Dicas de Cultura



 

Siga a Cedro Rosa.

 

Cedro Rosa cria Plataforma mundial de Música, em 10 idiomas, para gerir direitos autorais e licenciar musicas.




Músicos, compositores, bandas, mídia, produtores de cinema, streaming, TV, publicidade e games em um único ambiente digital, para negócios de licenciamento.



Abra um perfil agora


Plataforma digital permite registro, distribuição e licenciamento de músicas no mundo inteiro. Todo mundo pode escutar músicas e podcasts de graça.



A Cedro Rosa , produtora e distribuidora de conteúdos, com sedes no Rio de Janeiro, New York e Tokyo criou uma plataforma digital de administração e distribuição de músicas no mundo inteiro.


Para ter acesso, como artista, empresa ou simplesmente amante de música, basta abrir um perfil, apenas com nome e e-mail.


A plataforma digital funciona em 10 idiomas e conta com mais de 3 000 mil certificadas, prontas para serem licenciadas para sincronizações diversas em filmes, novelas, audiovisuais, games e publicidades.


Acompanhe nossas redes digitais. https://linktr.ee/cedrorosa


Compositores, bandas e artistas podem registrar suas musicas e fazer contratos de distribuição e licenciamento e empresas da midia como TVs, Radios, produtoras de cinema e conteudo em geral podem licenciar essas obras devidamente certificadas diretamente na plataforma.



Comments


+ Confira também

destaques

Essa Semana

bottom of page