top of page

Drumond e uma carta que virou poema?




Vivemos tempos nunca imaginados. O Covid-19 deixou o mundo de cabeça para baixo. Ninguém sabe se escapará incólume, ou se as pessoas que importam em sua vida serão atacadas ou não. Inerme, confinada em casa torcendo pelo achatamento do pico da curva, assisto a provas cada dia mais contundentes do desgoverno de nosso país. E, por instinto de sobrevivência, resolvi aproveitar este recolhimento forçado para contar a história de minha correspondência com o nosso Poeta Maior, Carlos Drummond de Andrade.

COMO TUDO COMEÇOU

Era mãe fazia pouco, mas o vazio só aumentava. Eu, cujo maior desejo sempre fora o de ter uma filha, me perguntava como era possível. Quando casei, dois anos e meio antes, cursava o terceiro ano de jornalismo e, diante da ameaça de que minhas faltas durante o período de lua de mel me fariam perder o semestre, tranquei a matrícula. Mais tarde por miopia, julguei não ter condições de me dividir entre os afazeres domésticos e a faculdade, e simplesmente ignorei o prazo de destrancamento, decidida a me dedicar a meu marido e minha filha. Só que os dias são longos, a rotina mata e, por maior que fosse a minha dedicação, eu sentia que faltava alguma coisa.

Neste estado de espírito, abro o Jornal do Brasil pela manhã e me deparo, na coluna de Drummond, com seu poema “Apelo a meus dessemelhantes em favor da paz”.

O apelo do poeta reverberou fundo no tumulto do meu coração. Tive vontade de me comunicar com ele, procurei seu endereço e enviei-lhe o poema abaixo, que intitulei de

DESAGRAVO AO DESAGRADO DO POETA


Orai

e vigilai

para ouvirdes

“a paz

da

paz”

que jaz Deus sabe onde.

É preciso ter cuidado para não deixar passar

o tempo de ouvir a paz.

é preciso tentar aquele mergulho

aquele salto quase mortal

que nos devolve a nós mesmos

e prepara

a paz

para a

paz.

Orai aos santos da vossa fé!

Sede fiel à vossa fé!

Mas

os santos vão morrendo

vão passando em seus andores.

A procissão segue, certa,

e ficamos apenas

com as imagens

do que queremos guardar.

A paz esteja convosco, Poeta!

E comigo também.

O Poeta me respondeu, e mantivemos uma correspondência por quase dez anos. Num de seus últimos bilhetes, em resposta a meu pedido para que explicasse seu poema “Desdobramento de Adalgisa”, ele conta que foi publicado em 1933, no jornal A Tribuna, de Belo Horizonte, com a nota: “Inspirado num anúncio de La Nation, em que havia o desenho duplo de uma mulher, o primeiro em traços imprecisos, e o segundo em linhas nítidas”, e se assina como “meu escudeiro”.

Pela admiração que tenho por ele, gostaria muito de ter sido essa musa, só que nunca nos encontramos pessoalmente, embora eu tivesse chegado a convidá-lo a jantar em minha casa, convite do qual declinou por problemas de saúde. Assim, a nossa pequena troca passou a ser um dos meus bens mais preciosos, e agradeço à minha prima Laura Proença a ideia de transformá-la em livro.


criativos
Capa Livro

 

Junte-se a nós.

A Cedro Rosa é uma produtora e distribuidora de conteúdos, com sedes no Rio de Janeiro, New York e Tokyo.


Sua plataforma digital funciona em 10 idiomas no mundo inteiro e conta com mais de 3 000 mil certificadas, prontas para serem licenciadas para sincronizações diversas em filmes, novelas, audiovisuais, games e publicidades.



Abra um perfil na Cedro Rosa e acompanhe nossas redes digitais. https://linktr.ee/cedrorosa


Compositores, bandas e artistas podem registrar suas musicas e fazer contratos de distribuição e licenciamento e empresas da mídia como TVs, Rádios, produtoras de cinema e conteúdo em geral podem licenciar essas obras devidamente certificadas diretamente na plataforma.

 

Criativos! é uma revista digital de Arte, Cultura e Economia Criativa e conta com a colaboração de centenas de artistas, criadores, jornalistas e pensadores da realidade brasileira.

Editado pela Cedro Rosa.

0 comentário

コメント


+ Confira também

destaques

Essa Semana

bottom of page