top of page

Sábado de Carnaval, o melhor dos dias. Que abriga até um grande adeus.



Alfredinho, do Bip Bip, na gravação do filme PARTIDEIROS, na Cedro Rosa.


"Eu tinha que viver para ver uma coisa dessas: um ano sem Carnaval". A assombrada e, perplexa frase é de um amigo. Mas podia bem ser minha. A perplexidade, meio indignada e com um travinho de tristeza, é bem sincera. Em minha opinião, apesar da vacina chegando, este ano já é pior que 2020. Mais trágico que um ano sem Carnaval, só mesmo a morte de mais de 230 mil pessoas na pandemia.

Durante um bom tempo preso a tarefas profissionais, perdia parte da festa. Livre da labuta radiofônica eu voltei a ser apenas folião e os sábados de Carnaval retornaram numa rotina feliz. Sinônimo de Bola Preta e a quentura dos seus arredores.

O Bola não limita a animação da cidade a seus desfiles, que já é um espanto com milhões de seguidores. O cordão e seus apaixonados vindos de vários bairros e de outros municípios garantem o incêndio no Centro. A eles se juntam os barões famintos, o bloco dos napoleões retintos e os pigmeus do bulervar. Ferve o Caldeirão. Depois do bloco, normalmente me estabeleço na Rua da Carioca. Uma das relíquias dos logradouros da cidade.


 

Playlist Carnaval 2021 -

Cantando e sambando com distanciamento social - Spotify

 

O Bar Luiz por vezes montava uma estrutura com música e algum conforto para os foliões. Muito bom. Mas os botequins das proximidade


s também são camarotes especiais para a espera do próximo bloco. Mais à tarde o Carioca da Gema também joga na Lapa um enfezado e maravilhoso bloco com os principais intérpretes da casa. Da Mem de Sá à Fundação Progresso, uma eternidade de alegria e boa música. E assim o sábado passa. Cerveja presente, bexiga inflada, claro. Tudo tem um preço.


Mas sabe-se lá em que cartilha o acaso aprendeu a tecer os fios que nos controlam feito marionetes e, por isso, nos últimos quatro anos, meus sábados de Carnaval não foram no Rio. Por questões domésticas adequei temporariamente minha sede carnavalesca à gostosa Conservatória.


O lugar pertence ao município de Valença. Algumas poucas ruas, mas com uma essência de Carnaval puro. A folia pela folia. Blocos de rua, restaurantes e casas musicais todas em ebulição e na principal praça, uma roda de samba de ‘responsa’. A mesa com mais de quarenta músicos. Um intervalo perfeito antes do retorno ao fluxo de blocos que deslizam pelas principais e pequenas ruas da Vila.


Conservatória é uma delícia. Um reduto boêmio e seresteiro o ano todo. Tem entre outras maravilhas, o Instituto Waldir Azevedo, “tocado” pelo Ronaldinho do Cavaquinho, um virtuose, museus sobre grandes nomes da nossa música e o Centro Cultural da Juliana Maia, tremenda cantora. Durante as serestas é fácil esbarrar com Juarez de Brito, filho do Guilherme de Brito. Resumindo, uma pequena cidade musical. E Valença dispensa explicações, tem pedigree. Não fossem de lá a grande Rosinha e a imensa Clementina.


 

Playlist - Os Grandes Mestres do Samba – Spotify


 

E por uma dessas inúteis ironias, foi justo num sábado de Carnaval, e num cenário musical e afável como Conservatória que eu soube da notícia. Num átimo de segundo a alegria desbragada que me abraçava, implodiu num nada. Um desmoronamento de tristeza. Alguém na roda de samba pegou o microfone para informar da morte do Alfredo do Bip-Bip. Meu mundo caiu na hora e a folia ficou esvaziada de sentido.



Sábado de Carnaval. O melhor dia do ano. Só podia ter sido nesse dia. Ninguém vai lembrar a data correta daqui a algum tempo. Vão apenas registrar que Alfredo Melo, o querido Alfredinho do Bip Bip foi embora num sábado de Carnaval. Tem tudo para virar verso de marcha rancho. Não poderia ter escolhido dia mais significativo para bater as asas e subir. Um beijo!





 

Música mais tocada no site da Cedro Rosa esta semana.

Ouça a música Choro Fácil, de Jorge Simas. Discos Cedro Rosa, repertório disponível para trilhas sonoras diversas.

 

Playlists na Spotify e Youtube

Repertório Cedro Rosa, disponível para trilhas sonoras diversas.



Cd Roda de Samba no Bip Bip



Roda de Samba


 

Cedro Rosa cria plataforma digital que permite registro, distribuição e licenciamento de músicas no mundo inteiro.

Produtores de cinema, tv e publicidade podem licenciar essas obras no site.

A Cedro Rosa , produtora e distribuidora de conteúdos, com sedes no Rio de Janeiro, New York e Tokyo criou uma plataforma digital de administração e distribuição de músicas no mundo inteiro.


Para ter acesso, como artista, empresa ou simplesmente amante de música, basta abrir um perfil, apenas com nome e e-mail.


A plataforma digital funciona em 10 idiomas e conta com mais de 3 000 mil certificadas, prontas para serem licenciadas para sincronizações diversas em filmes, novelas, audiovisuais, games e publicidades.



Abra um perfil na Cedro Rosa e acompanhe nossas redes digitais. https://linktr.ee/cedrorosa


Compositores, bandas e artistas podem registrar suas musicas e fazer contratos de distribuição e licenciamento e empresas da midia como TVs, Radios, produtoras de cinema e conteudo em geral podem licenciar essas obras devidamente certificadas diretamente na plataforma.



 

Playlist da Cedro Rosa no Spotify e no Youtube. Músicas disponíveis para licenciamentos.


A Cedro Rosa representa milhares de obras musicais originais. Escute as playlists nas plataformas mais famosas do mundo.




O Melhor da MPB




Bossa Nova / Spotify

Instrumental Esporte Fino / Youtube




Todas essas obras são representadas pela Cedro Rosa.

Abra um perfil em nosso site.

Consulte-nos para sincronizações para trilhas sonoras.


Acompanhe nossas redes sociais.



Comments


+ Confira também

destaques

Essa Semana

bottom of page