PAUSA PARA REFLEXÃO SOBRE A ABOLIÇÃO



Jornal do Brasil 1º Caderno Edição 12 de Maio de 1972



Em 1972, logo no comecinho de Janeiro, dei uma chegadinha à velha rua Montenegro para ver de perto, pela primeira vez, um grande ator do cinema brasileiro de quem, além de gostar demais, profissionalmente, um dado de perfil pessoal – que eu já conhecia – me levava a uma enorme admiração : a força de uma inesgotável DETERMINAÇÃO que lhe trouxe de Uberlândia para o Rio de Janeiro pela convicção do próprio – e grande – talento. Aliás, já tinha GRANDE no nome adotado e com o qual se notabilizou : GRANDE OTELO.