Nelson Sargento: até breve, meu general!


Tuninho Galante e Nelson Sargento

O querido Nelson Sargento, compositor de mão-cheia, frasista de primeira, homem de muitos instrumentos de retórica - música, pintura, poesia...


Até breve, homem-samba.


Desde final dos anos de 1980, quando nos conhecemos, você, morador do grande bairro Vasco da Gama, perto de Belford Roxo, na Baixada Fluminense, e eu, produtor do disco "Embaixada do Samba", quando gravamos a música "Nas Asas da Canção", sua parceria com a grande Ivone Lara...


Toda vez que nos encontrávamos, você me gritava, de onde estivesse:


"O Galante, quando é que você vai transformar aquele disco em CD? A Leila canta muito!"


Pois é, Mestre, até hoje nao transformei, mas, palavra, vou tranformar agora.


Lembra quando fechamos o trabalho de você pintar meu apartamento: tudo combinado, preço, data, tudinho: você nao apareceu até hoje.


Lembra aquela vez que você pediu para eu "defender" seu samba no Festival de Samba da Penha, ali por volta de 1990? Sim, gente, existia um festival de sambas na Igreja da Penha... muito tradicional!


E o show que fizemos no Vinicius Bar, em Ipanema, heim? Quem Sabe, Samba!

Que luxo! Você, Wilson Moreira e Monarco, como convidados deste produtor e violonista...


Você tinha viajado para o Japão, fomos eu e Jairo Braulio, grande compositor-interprete!


Ganhamos! Não sei se primeiro ou segundo lugar.


E o disco disco que fizemos em homenagem ao Bip Bip, onde você cantou o emocionante samba "Preciso Voltar"...