top of page

“Naturas: Assim eu vejo” de Claudia Jaguaribe, inaugura no Paço Imperial no dia 9 de setembro



Claudia Jaguaribe escolhe o Rio de Janeiro para apresentar exposição inédita com 50 obras, incluindo um vídeo, esculturas e trabalhos criados através de Inteligência Artificial

A paisagem e o universo botânico entraram desde cedo na vida de Claudia Jaguaribe, sendo um dos interesses prediletos de seu avô Francisco, geógrafo e autor de parte expressiva da cartografia brasileira. A atração precoce pelo tema foi determinante na trajetória da artista, que aguçou o seu olhar e se aprofundou na paisagem e nos aspectos da natureza. “Naturas: Assim eu vejo”, que inaugura no dia 9 de setembro, no Paço Imperial, curada por Heloísa Amaral Peixoto, reúne obras que fazem parte de uma pesquisa que se inicia com a série “Tudo é Sofia”, de 2004, e se estende a trabalhos mais recentes e inéditos, realizados com recursos de Inteligência Artificial em “Viveiro”, de 2023.


Com uma agenda cheia tanto no âmbito nacional quanto internacional, tendo realizado projetos na Usina de Arte (Recife), exposições em São Paulo, além da participação este ano no Festival Off and On, Brasil Imprevisto, em Arles (França), onde expôs em um telão ao ar livre, Claudia escolheu a cidade do Rio para mostrar esse recorte de seus trabalhos antigos e mais atuais, totalmente voltados para questões ambientais. Ocupando as salas Amarela e Mestre Valentim, a exposição apresenta uma pesquisa dupla: uma visão particular sobre como retratar a paisagem e a natureza e as mudanças radicais que se operaram na fotografia em nossa cultura visual. As obras iniciais foram feitas de forma analógica, com uma simples câmera pinhole até as últimas, com fotografia digital, e, no seu estágio mais avançado, incluindo a IA.

“Naturas, em latim, se refere à multiplicidade de naturezas que existe no mundo e ‘assim eu vejo’ ao meu modo de utilizar a fotografia como um meio de conhecimento e forma de expressão. Desde os ensaios iniciais percebi que precisava me apropriar da fotografia como um dos aspectos do processo criativo. A fotografia documental me serve como um banco de imagens, base para o desenvolvimento de outras linguagens. Cada novo projeto demanda uma abordagem própria, que envolve muitas camadas de produção”, afirma a artista.

 

Arte, Cultura, Economia Criativa.


O Brasil está passando por um renascimento econômico, com uma crescente participação no PIB global. Esse fenômeno está sendo impulsionado pela ascensão da economia criativa, onde a arte desempenha um papel fundamental. A música independente se destaca nesse cenário, com empresas como a Cedro Rosa Digital liderando o desenvolvimento de talentos musicais de alta qualidade.


O melhor da música do Brasil, escute aqui.


A música independente no Brasil está florescendo devido a fatores como acesso facilitado à tecnologia de produção musical, distribuição digital e plataformas de streaming. Isso permite que artistas independentes alcancem audiências globais, gerando receita e reconhecimento.


Violão brasileiro, em uma bela playlist, escute aqui.


A Cedro Rosa Digital desempenha um papel crucial, oferecendo suporte na produção, distribuição e promoção de artistas independentes. Seu sucesso reflete o potencial do país na economia criativa, onde a arte e a música são catalisadores de crescimento econômico e mobilidade social, contribuindo para a expansão da cultura brasileira no cenário internacional.

0 comentário

Comments


+ Confira também

destaques

Essa Semana

bottom of page