top of page

Mais ciência mas com sensibilidade


Ao longo da história o estudo da filosofia e o da filosofia natural- mais tarde chamada ciência - esteve ora mais próximo, ora mais distante, um do outro. A partir do século XVII com a rápida evolução da chamada Revolução Científica, o fosso se ampliou e aqueles que se dedicavam a um ou a outro ramo foram se afastando e mesmo se inimizando. Ao não reconhecer coisas outras senão as que lhe mostravam seus sentidos e focar seus estudos cada vez mais em temas super específicos, os cientistas foram construindo um mosaico incompleto de causas e efeitos. Mesmo visões teóricas unificadoras, como a de Isaac Newton (1642/1726), após algum tempo, iam sendo minadas por questionamentos e experimentos marginais, que, ao final, levavam a nova queda de paradigma e novo reinício. A ciência como explicadora de tudo, a partir de certo ponto passou a ser relativizada por sábios que somavam ao seu conhecimento uma boa formação humanística. Disso resultou o chamado Romantismo Alemão. A ciência só, nunca seria capaz de chegar perto da causa de tudo, causa essa que deve ser buscada ,com outros olhos, na natureza, como sugere Rousseau (1712/1778) nas suas Rêveries d'un Promeneur Solitaire. O Romantismo Alemão aponta a algo mais além das ferramentas da ciência e da percepção dos sentidos, para resolver aquele enigma, como se manifestam Goethe (no Fausto) e Humboldt (no Cosmos) , cientistas e humanistas. Não estranhamente uma simples jovem inglesa chamada Jane Austen, fala o mesmo ao combinar no seu romance de estréia, Razão e Sensibilidade (1811) os fatores que tem que andar junto para produzir o conhecimento, num plano, e o final feliz, no outro. Até bem pouco tempo, a ciência parecia só acreditar literalmente na Bíblia quando diz que Deus deu o mundo e a natureza a Adão para dela dispor ao seu bel prazer, o que ele e seus filhos passaram a fazer destruindo-a sistematicamente. As poderosas ideias do iluminismo na prática mostraram a face mais cruel e injusta do mundo, como a primeira revolução industrial, a destruição do ambiente, a questão social e a injustiça distributivista. Isto tem paralelo na visão atual de um progresso desvairado engendrado pela ciência e tecnologia, que resultam na destruição ambiental e efeito estufa. Já a reação romântica pode ser associada à busca de uma alternativa ambientalmente e socialmente saudável. Qual os antigos românticos vozes discordantes hoje surgem denunciando os horrores da destruição ambiental. Em 2006 Al Gore, ex Vice Presidente e depois candidato à Presidência dos Estados Unidos, traz ao Brasil o seu filme Uma Verdade Inconveniente, lançado em turnê mundial. Em 2015 , em Paris, 195 países assinaram o Protocolo para pôr um freio nas emissões de carbono. Em 2020, Bill Gates escreve o seu livro Como evitar um Desastre Ambiental. São marcos, que a história vai guardar, espero, como o fim da marcha insensata em direção à auto destruição da nossa espécie. Em pleno Romantismo, artistas que enxergam mais longe, já criavam metáforas do que iríamos enfrentar. O ano de 1816 foi peculiar. A explosão do vulcão Tambora no ano anterior, a maior da história do planeta, lançou tantas cinzas na atmosfera que não houve verão no hemisfério norte. Refugiados numa vila às bordas do Lago Lemano o poeta Shelley, sua amante e futura mulher Mary, a irmã desta Claire, seu amante Lord Byron e outros escritores foram, por este último, instigados a escrever algo sobre o além das percepções naturais, Mary concebe o romonce Frankenstein. Este é um Doutor, uma espécie de alquimista científico, que no afã de criar um ser perfeito se isola num castelo na Alemanha e a partir de boas partes de diversos corpos mortos, monta o que seria o homem ideal e lhe infunde vida num choque elétrico. A criatura é o tal mosaico incompleto a que me referi acima. Falta-lhe alma. As experiências deGalvani sobre a eletricidade animal andavam na moda, lembro. Da experiência do Doutor Frankenstein nasce um monstro. No romance a criatura é educada pelo seu criador mas se evade e comete uma serie de crimes, em particular o assassinato de um poeta, simbolizando, certamente o fruto da ciência assassinando a sensibilidade. Quando voltam a se defrontar a criatura fala para Frankenstein: Você é meu criador mas eu sou o seu Senhor. Algo que , mutatis mutandi, Adão, o primeiro dos golem na tradição talmúdica, não faria melhor, se pudesse hoje se dirigir à mãe Natureza, em cujo embalo foi criado e ora a assassina. Talvez 2021 marque o ano de reconciliação entre ciência e sensibilidade. Que a ciência volte a ser chamada de filosofia natural e a natureza seja a mãe querida a se preservar, para que possamos um dia, no futuro distante, sermos lembrados pelos nossos netos e bisnetos e os filhos deles, como aqueles seres, quase divinos, que admitiram se privar de umas tantas coisas para que eles pudessem desfrutar do precioso dom de existir.


 

Difícil encontrar alguma coisa relevante na internet!



Música Instrumental




Cedro Rosa LIVE | Música em Tempos de Pandemia, hoje com Roberto Menescal (cantor e compositor, fundador da Bossa Nova), Ana Hollanda (ex-Ministra da Cultura)

e Gloria Braga (Ex-Superintendente do ECAD)




O melhor da MPB na atualidade!


 

Músicos, compositores, bandas, mídia, produtores de cinema, streaming, TV, publicidade e games em um único ambiente digital, para negócios de licenciamento.



Abra um perfil agora


Cedro Rosa cria plataforma digital que permite registro, distribuição e licenciamento de músicas no mundo inteiro. Todo mundo pode escutar músicas e podcasts de graça.

Tudo online!



A Cedro Rosa , produtora e distribuidora de conteúdos, com sedes no Rio de Janeiro, New York e Tokyo criou uma plataforma digital de administração e distribuição de músicas no mundo inteiro.


Para ter acesso, como artista, empresa ou simplesmente amante de música, basta abrir um perfil, apenas com nome e e-mail.


A plataforma digital funciona em 10 idiomas e conta com mais de 3 000 mil certificadas, prontas para serem licenciadas para sincronizações diversas em filmes, novelas, audiovisuais, games e publicidades.


Acompanhe nossas redes digitais. https://linktr.ee/cedrorosa


Compositores, bandas e artistas podem registrar suas musicas e fazer contratos de distribuição e licenciamento e empresas da midia como TVs, Radios, produtoras de cinema e conteudo em geral podem licenciar essas obras devidamente certificadas diretamente na plataforma.



0 comentário

Comments


+ Confira também

destaques

Essa Semana

bottom of page