top of page

LUCAS LENCI CONTRAPÕE IMAGENS REAIS PARA CRIAR CIDADES HIPER-REALISTAS EM “UTOPIA”, SEU NOVO LIVRO, COM TEXTO DE TUCA VIEIRA E EDIÇÃO DA VENTO LESTE


Lucas Lenci - Utopia


Cidades “não possíveis” ganham vida a partir de imagens sobrepostas no novo livro de Lucas Lenci, “Utopia”, recém-chegado às livrarias com edição da Vento Leste Editora. 

O fotógrafo paulistano atuou com o propósito de criar cenários que contrastam a imponência dos grandes centros urbanos com a beleza de paisagens naturais, refletindo sobre as relações das pessoas com o ambiente que as cercam.

 

Pelo Brasil, o autor registrou locais como São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba, Foz do Iguaçu, Jericoacoara e as serras da Mantiqueira e do Mar. Mundo afora, suas lentes retrataram Nova York, Paris, Dubai, Lisboa, Sri Lanka, Atacama e Tóquio, entre outras localidades.

As junções seguem critérios estéticos, algumas vezes flertam com o absurdo e aproximam cenários antagônicos, com o propósito de aguçar a curiosidade dos leitores.

 

“Meu trabalho se pauta pelo poder que a fotografia tem para contar uma mentira - e não se comportar como um documento da verdade,  como o fotojornalismo, por exemplo. Vejo essas cidades utópicas como uma valiosa oportunidade para explorar este conceito”, comenta Lenci.


Pesquisas, memória e provocações

A primeira imagem de “Utopia” surgiu após o fotógrafo receber um convite para participar de uma exposição coletiva chamada Dicotomia. Instantaneamente seu pensamento voltou-se para o contraponto entre o verde e o cinza, prédios e árvores, cidade e campo.

“A partir daí iniciei a pesquisa com fotografias antigas para entender melhor a evolução das construções e o cuidado com o meio ambiente, inicialmente em São Paulo. E decidi criar essas cidades utópicas, impossíveis de serem fotografadas convencionalmente”, lembra.

 


Lucas Lenci - Utopia

 

Além das 36 imagens principais, a publicação traz as fotografias originais em formato reduzido, com precisas coordenadas de georreferenciamento, mas  sem identificação nominal dos locais. É mais uma provocação em relação à forma como lidamos com as distâncias físicas e virtuais.

“Lucas Lenci trabalha de forma criativa essa desconfiança, equilibrando-se cuidadosamente numa fronteira entre o crível e o estranho, o possível e o improvável. As imagens (...) conseguem provocar justamente esse segundo olhar, que retém o observador para além do encontro fugaz inicial”, analisa o fotógrafo  Tuca Vieira, no texto de apresentação do livro.

 

Vieira acrescenta a importância de contextualizar o trabalho do autor em um momento em que a população do planeta ultrapassa 8 bilhões de pessoas, em espaços cada vez mais urbanizados e com graves problemas causados pelo capitalismo predatório, a mecanização do campo e a exploração não-sustentável dos recursos naturais, por exemplo.. “A estrutura das cidades, a desigualdade  social e a crise ambiental são três gigantescos problemas que já não podem ser compreendidos separadamente. As imagens de Lucas Lenci tocam em todas as questões - e servem-nos de alerta”, diz.


Pesquisas, memória e provocações

 

O título do livro é inspirado na obra do filósofo Thomas More, autor do século XVI que escreveu sobre a junção das palavras “não” e “lugar”.  A partir daí, Lenci aprofundou-se na ideia da busca pelo lugar imaginário, mas sem abrir mão da materialidade: faz questão de frisar que o livro é resultante de seus deslocamentos, carregando equipamentos e esperando o melhor momento para fotografar cada local.

 

“Utopia” coloca-se, portanto, como o "não-lugar” em um tempo em que conceitos de velocidade e distância têm sido desmaterializados, não só no que se refere a produtos, serviços e informações, mas também em relação à própria fotografia. “Agora  uma foto viaja instantaneamente, transformando-se em dados e pixels, percorrendo caminhos antes inimagináveis” , argumenta.

 

Assim, o fotógrafo sugere que  as obras do livro vão além da representação de cidades ou fictícias, buscando também servir como catalisadoras de novas jornadas. “A dúvida é a gênesis da curiosidade, estimula o leitor a se aprofundar na minha proposta de reflexão. Aprendi que é impossível controlar as reações que meu trabalho irá provocar nos outros, a jornada é de cada um”, conclui.

 

Sobre o autor

Lucas Lenci nasceu em São Paulo, em 1980. Formado em fotografia e Desenho Industrial, começou a carreira em meados dos anos 2000 ­como produtor executivo de projetos fotográficos comerciais, editoriais e culturais.

 

‍Viveu um período em Nova York, onde trabalhou como diretor de arte, e no retorno a São Paulo abriu estúdio próprio. Em 2010, idealizou a FOTOSPOT, galeria pioneira no Brasil em democratizar o acesso à fotografia, e fomentou o interesse pela produção fotográfica nacional oferecendo obras em plataforma on-line.

 

Como autor possui sete fotolivros publicados, muitos deles premiados internacionalmente e com lançamentos em Paris, Nova York e São Paulo.

 

O primeiro, “Desaudio”, foi apresentado no PhotoBook Show de Tóquio em 2015; e o segundo, “Movimento Estático”, foi selecionado para o PhotoBook Show de São Petersburgo. De forma expositiva, seu trabalho também já foi apresentado em diversos festivais de fotografia ao redor do mundo como Paris, Tóquio, Madrid, Lisboa e Singapura.

 

Atua também como coordenador editorial e possui mais de 30 títulos produzidos neste formato. No início da pandemia da  Covid-19 idealizou o projeto Quarentena Books, onde oito fotógrafos e oito designers criaram livros de forma remota, cujos lucros foram doados a comunidades mais vulneráveis.


Ficha Técnica

 

“UTOPIA”

Lucas Lenci

Vento Leste Editora

120 páginas. ISBN: 978-85-68690-15-4

Valor de Capa: R$ 220.À venda em www.ventoleste.com  


 

A interseção de Fotografia, Literatura, Audiovisual e Música no Crescimento Econômico

e Desenvolvimento Humano


Lucas Lenci - Utopia

No universo cultural contemporâneo, a interação entre fotografia, literatura, audiovisual e música desempenha um papel crucial no desenvolvimento humano, na geração de empregos e na renda. Essas formas de expressão coexistem em um ecossistema criativo, alimentando-se mutuamente e criando oportunidades econômicas em várias frentes.



Cedro Rosa Digital: Fortalecendo a Música Independente e a Economia Criativa Global




A Cedro Rosa Digital , focada na certificação e distribuição de obras e gravações, tem se destacado ao impulsionar o mundo da música independente. Ao validar a autenticidade das criações, a empresa não apenas fortalece os direitos autorais, mas também abre portas para artistas emergentes alcançarem audiências globais. Essa certificação não só inspira confiança nos consumidores, mas também conecta artistas a mercados internacionais, gerando empregos e renda sustentável.




Ao abraçar a diversidade cultural e facilitar a entrada de talentos independentes no cenário global, a Cedro Rosa Digital se posiciona como uma peça fundamental no avanço da economia criativa. Essa abordagem pragmática e eficaz contribui para o crescimento da indústria musical independente, estabelecendo um caminho viável para artistas navegarem no vasto universo digital.

 





 

0 comentário

Commenti


+ Confira também

destaques

Essa Semana

bottom of page