“Essa praia não sou eu”



Paulo Castro ( Paulinho Cavaco ) - Escritor e Compositor

Desceu do alto da pedra do Forte, veio caminhando, passou pela Colônia dos Pescadores e nada: nem pescadores, nem peixes, nem mesmo cheiro de peixe. Os barcos se amontoavam largados, quase uns sobre os outros. Pensou: alguma coisa aconteceu, e ela, logo ela, não tomou conhecimento. No poste, um cartaz com uma mensagem que ela não entendeu: “Fique em casa!”. Onde todos?


A praia... vazia. As redes de vôlei, os atletas das redes de vôlei, a turma do frescobol, a garotada da linha de passe, as moças nas suas toalhas chamando o sol, os rapazes exibindo suas barrigas “tanquinho” e preparando a paquera das moças nas suas toalhas chamando o sol, os idosos ostentando seus ventres avantajados de cerveja pedindo mais uma na barraca, as crianças fazendo castelos de areia, os ambulantes oferecendo pastel, mate, água, os gringos babando pelas morenas de fio dental, os pivetes se preparando para dar o bote nos gringos que babavam pelas morenas de fio dental, os pms se preparando para dar o bote nos pivetes que se preparavam para dar o bote nos gringos que babavam pelas morenas de fio dental, os guarda-vidas vigiando o mar sempre calmo do posto seis ...