top of page

INICIO DE MÊS...



É março!


E março é desde sempre o fim do verão, o que no Rio de Janeiro, que é de janeiro, fevereiro e principalmente março, nem faz tanta diferença. Mas março é março e ainda que os termômetros não nos aliviem logo no início (este fim de semana, confiram, deve bater os 38ºC), ao menos a chegada de março sinaliza que abril vem aí, com seus feriados e a perspectiva de algum frescor em maio, junho, julho.


O Rio é de Janeiro, mas faz aniversário em março. Logo no dia primeiro, que é pra marcar posição. Estácio de Sá não quis esperar muito e, terminado aquele fevereiro, provavelmente escaldante como são os fevereiros por aqui, tratou de fundar a vila. Vai que isso significava alguma coisa? A cidade fundada em fevereiro podia, sei lá, ser quente demais ou excessivamente festiva, o que seria um problema pros reis católicos portugueses (não creio que ele, Estácio, tivesse ideia do que seria o carnaval no futuro…).


Mas março é muito mais que isso. E o terceiro mês do ano andou saindo feio na foto. No purgatório da beleza e do caos em que a nossa Mui Leal e Heróica Cidade se transformou ao longo dos séculos, perdemos dois heróis em dois marços recentes. Mariellle Franco em 2018, brutalmente assassinada - juntamente com o motorista Anderson, que a levava para casa - por personagens que ilustram páginas infelizes da nossa história. Agora, anos depois, aparentemente há nova disposição para se encontrar os mandantes do monstruoso assassinato. E mesmo a apuração não nos devolve a querida personagem, vereadora de mandato comprometido com aqueles que efetivamente precisam da ação do poder público, negligenciados que foram e continuam sendo pela maior parte dos mandatários da Cidade, Estado ou País. Março de 2018 foi março triste e inapagável da memória de nós todos, daqui e de todo canto.


O ano seguinte chegou com o que havia de pior. Trouxe as milícias e os inimigos da vida para o centro do poder. Seus projetos destrutivos passavam pela cultura e pela construção de uma mitologia própria, incapaz de perceber a riqueza da diversidade e da democracia. Apontava para a normatização, para a padronização de comportamentos e práticas, todas antinaturais e disciplinadas por um cânone que despreza o diferente, seja ele negro, indigena, esquimó, oriental ou tenha outra orientação sexual. Religiosos da pior estirpe, talibãs de suas ideias ultrapassadas e irremovíveis. Conservadores mortíferos, bíblia e arma na mesma mão. Descontente com os rumos que vínhamos tomando como sociedade, o Alfredinho nos deixou e foi gerenciar o botequim do céu. E o que foi aquele março?? Nos despedimos do Alfredinho no nosso imenso botequim de 18m² como nos despedimos, no início de 2019, do Brasil que vínhamos tentando construir e que foi subitamente bombardeado por Moros, Bretas e Dallagnóis, até ser finalmente conquistado pelo mais abjeto dentre os abjetos, aquele da fraquejada, aquele do imbroxável, aquele do Vivendas. Perdemos o Alfredo porque ele, saúde já debilitada, não aguentou o tranco desse país a quem ele dedicou tanto, de seu jeito, na intenção da inclusão, do fim do preconceito, da erradicação da pobreza, da universalização da comida, da cultura e da alegria.


É março. E só por muita sorte nossa, antes que houvesse Marielle e o BipBip do Alfredinho como a gente conhece, já havia uma trilha sonora pra esse mês tão especial, tão diferente de tudo e tão igual aos outros também. Esse março que está começando parece um julho antecipado. Trinta e um dias sem nenhum feriadinho... As águas de março que fecham o verão na canção imortal de Mestre Antônio Brasileiro, em 2023 vem lavar de vez, depois da alegria da remoção da maldade do centro das salas do Planalto e do Alvorada, os resquícios que ainda podem restar por aí. Que venham e lavem a sujeira que ainda cobre o caso Marielle, os financiamentos do 08 de janeiro, os sigilos indevidos e covardes, as rachadinhas nunca investigadas devidamente, as fakenews espalhadas ao vento, as ligações nunca realmente reveladas com o submundo sediado na Muzema e no Rio das Pedras, o genocídio Yanomani, os projetos de destruição do arcabouço fiscalizador dos órgãos ambientais, as vinícolas escravistas da Serra Gaúcha.


Vem março. Vem com tudo!



Rio de Janeiro, março de 2023.


 

Cultura


Escuta esse festival de música boa.





Pesquisa de Músicas na Internet


A busca por música pode ser complicada, mas a Cedro Rosa Digital está mudando isso. Com sua inteligência artificial avançada e vasta base de dados, a plataforma torna a busca por música mais precisa e acessível do que nunca. Os usuários podem procurar por palavras-chave, gêneros ou ritmos para encontrar a música perfeita.

A busca por gêneros inclui uma ampla seleção de estilos musicais, desde pop a hip-hop e heavy metal. Já a busca por ritmo permite encontrar música para dançar ou atividades físicas, com opções como baladas, música eletrônica e reggaeton. Além disso, a plataforma também permite filtrar resultados por gênero ou ritmo, tornando a busca ainda mais precisa.

A Cedro Rosa Digital torna a busca por música mais fácil do que nunca. Veja como funciona.


Melhor, todo seu repertório gravado, lançado comercialmente, está disponível nas plataformas de streaming, enquanto seu repertório de músicas inéditas pode ser pesquisado. Basta ter um perfil apenas com nome e e-mail.


 

Música



Escuta essa playlist de violão solo


0 comentário

Comments


+ Confira também

destaques

Essa Semana

bottom of page