Então é Natal! War is Over!




Difícil fugir da temática típica no funil do fim de ano. Natal, essas coisas. Diante da tela branca do laptop me esforço por deletar da mente velhos clichês da ocasião. Repetitivas e gastas mensagens morais, religiosas. Piegas? De repente salta de um dos meus mix de preferidas que o enxerido do Youtube monta a minha revelia, uma canção que invade meu trabalho mental. É Rua Ramalhete, do Tavito (e Ney Azambuja). "Sem querer fui me lembrar / de uma rua e seus ramalhetes". Adoro a sofisticada singeleza dessa música simples. Vai retocando a memória de quem passou dos 60. Estanquei o texto ouvindo a melodia. Chegam os versos de uma pétrea ingenuidade: “Vamos deixar tudo rodar / E o som dos Beatles na vitrola / Será que algum dia eles vêm aí / Cantar as canções que a gente quer ouvir?”

Tavito lançou a canção no finalzinho da década de 70, quando os Beatles já tinham tirado o time de campo há uma década mais ou menos. Mas para a minha geração, a qual certamente o personagem da música também pertence, o sonho ainda não tinha acabado. O verso “Será que algum dia eles vêm aí?”, que para as gerações atuais não diz nada, para nós era um tipo de mantra. Sonhava-se com a vinda dos meninos de Liverpool ao Brasil. “Uma excursão pela América do Sul e passando por aqui”. M