top of page

Fazer ou não faculdade? Será que ainda vale a pena?


Paulo Eduardo Ribeiro, do Canal Ponte Aérea, para CRIATIVOS!





Fazer ou não faculdade? Será que ainda vale a pena?


Antes de iniciar esse texto é importante salientar que tudo que será escrito aqui reflete a opinião do autor, em outras palavras, minha opinião, não devendo, portanto ser utilizada como base única de tomada de decisão.


Quando eu fiz faculdade em mil novecentos e... deixa pra lá... minha primeira aula foi de matemática, professor Wilson Pavão, e confesso que nunca mais me esqueci dele justamente por causa do que aconteceu nessa aula.

Ele entrou na sala e sua primeira pergunta foi:


“Por que vocês resolveram fazer faculdade? Vocês fizeram a conta de quanto isso vai custar ao final de quatro anos?”

Confesso que me assustei um pouco, pensei como assim? Será que é esse o papel dele, nos desmotivar logo no primeiro dia de aula?

“Vamos fazer umas contas”, ele disse, e assim começou minha primeira aula, minha saga rumo à formatura no nível superior.


“Quantos alunos se formam por ano (naquele tempo era anual) em Administração de Empresas no estado? No município? Vamos melhorar pra vocês, aqui na Faculdade? Quantos alunos tem em média em cada turma de quarto ano?”


“Vocês nem imaginam não é mesmo? Quer dizer que quando vocês se formarem, só aqui da faculdade haverá um monte de Administradores formados antes de vocês?”

“Agora vamos pensar nos custos. Qual o valor da mensalidade do curso? E quanto isso representa sem reajustes ao final de quatro anos? Isso aplicado, com juros, dá pra comprar um carro.”


A essa altura do campeonato eu já estava repensando minha decisão, mas o Pavão finalizou seu pensamento.

“O custo, ou melhor, o investimento é alto minha gente, financeiro, de tempo, dedicação, vocês estão dispostos? Se o objetivo de vocês aqui é apenas o diploma pensem bem na brincadeira que acabamos de fazer. Se vocês saírem daqui do mesmo jeito que estão iniciando a vida acadêmica hoje, vocês certamente perderão tempo e dinheiro.”


Aquilo caiu como uma bomba bem no meio da na minha cabeça, mas foi muito tempo depois que essa primeira aula fez total sentido para mim, e hoje como docente vejo todo semestre alunos que simplesmente “passam” pela universidade, e não conseguem levar nada dela.

Em minha opinião o maior desafio da vida acadêmica é conseguir transformar informação em conhecimento, pois informação não ajuda muito no mundo real fora da faculdade, conhecimento sim.


A quantidade de informação recebida é insana, e hoje com a tecnologia provavelmente é muito maior do que na época que assisti à primeira aula do professor Pavão.

Conhecimento é aquilo que eu sei, e não aquilo que eu decorei e simplesmente não me lembro ao finalizar a prova.

Mas será que eu não posso me esquecer daquilo que eu sei? Claro que posso, mas com certeza isso fica gravado em algum lugar, e uma leitura ou pesquisa certamente trará o conhecimento adquirido de volta, mesmo que aos poucos.


A essa altura do texto talvez você esteja se perguntando, mas afinal de contas, vale a pena ou não fazer faculdade?

Eu te digo que depende, e lembre-se do início do texto, é apenas a minha opinião.


a. Se você quer apenas o diploma para conseguir algo na empresa em que você trabalha, afinal você está tranquilo e só falta isso para avançar em seu plano de carreira, talvez a resposta seja sim, vale a pena, principalmente se a empresa bancar parte ou a totalidade do curso;


b. Se você quer o diploma porque acredita que assim sua vida vai mudar frente ao mercado de trabalho, por exemplo, ai a resposta é não, afinal diploma não é mais garantia de emprego, e lembre-se sempre do investimento que falei mais acima;


c. Se você pensa em ser um profissional melhor, adquirir competências diferenciadas, se desenvolver, aprender e ter a oportunidade de fazer networking, trocar conhecimento entre outras coisas, ai a resposta mais adequada é “sim, vale a pena”, mesmo com todo investimento que você terá que fazer, mas desde que o investimento financeiro esteja dentro de seu orçamento.


Se não estiver a opção é se planejar financeiramente ou buscar algum tipo de crédito estudantil disponível, ainda é uma alternativa.

Sempre serei a favor da educação e do estudo, talvez por isso eu acredite que seremos obrigados a estudar até morrer, mas cabe a cada um de nós decidir de que forma vamos fazer isso acontecer na prática.


Se vale a pena passar por tudo isso, mesmo com todo investimento necessário?

Te respondo sem pensar... Vale muito a pena.


Para finalizar não se esqueça de que com diploma está difícil, mas sem ele está praticamente impossível.


 

Playlists de músicas brasileiras no Youtube e Spotify

Obras disponíveis para trilhas sonoras em filmes, séries, publicidade, games, etc.




Single "Jardim do Menescal", de Tuninho Galante, ao vivo,

com participação de Roberto Menescal / Spotify


Para dançar / Youtube

SoftSamba / Spotify


Hora de relaxar ouvindo uma boa música no Youtube e Spotify.

Repetório Cedro Rosa, disponível para trilhas sonoras diversas.




Roda de Samba das Mulheres / Spotify




Instrumental / Spotify




Roda de Samba / Spotify



Para Dançar / Spotify


O Baile / Youtube




 

Setores de música e audiovisual geram milhões de empregos e bilhões de dólares no mundo e são segmento estratégico de desenvolvimento


"O setor de conteúdo, é o petróleo da era digital", afirma Tuninho Galante, CEO da Cedro Rosa.


"O que move o conteúdo são a música e o audiovisual. Gigantes que migraram da área de tecnologia para o segmento de conteúdos, como Amazon, Apple e Google estão aí para comprovar", conclui Galante, acrescentando que a Globo acaba de anunciar o investimento de 250 milhões de dólares na GloboPlay.



Música para sincronização em conteúdos. Plataforma digital em 10 idiomas administra músicas para trilhas sonoras.


A Cedro Rosa criou uma plataforma digital em 10 idiomas que administra direitos musicais de mais de 3000 mil obras e 200 autores. Todos podem se inscrever e ouvir as musicas, sejam compositores, musicos, bandas, jornalistas, professores, usuarios profissionais como Radio, TV, Cinema ou simplesmente amantes da musica: funciona como uma plataforma de midia social, basta apenas nome e e-mail.


"Hoje em dia muita gente se autoproduz, mas as obras musicais e as gravações precisam ter os certificados internacionais, chamados ISWC e ISRC, caso contrário não recebem royalties", afirma Tuninho Galante.


E pior, "as produtoras de video, cinema, publicidade e games não licenciam obras sem certificados", conclui Galante.


É muito fácil usar a plataforma. Totalmente gratis, basta apenas e-mail e nome para abrir um perfil. Músicos, cantores, bandas, jornalistas, empresas de midia, produtores de cinema, publicidade, Teatro, TV, etc podem







A indústria da midia e entretenimento como TVs, radios, produtoras de cinema, games, publicidade, streaming e conteudo em geral podem licenciar essas obras devidamente certificadas diretamente no site da Cedro Rosa.



 

Música para sincronização em conteúdos: Cedro Rosa.


 

Criativos! é uma revista digital de Arte, Cultura e Economia Criativa e conta com a colaboração de centenas de artistas, criadores, jornalistas e pensadores da realidade brasileira.

Editado pela Cedro Rosa.




0 comentário

+ Confira também

destaques

Essa Semana

bottom of page