DE VAGAÇÕES


Mario Lago Filho


Eu tava à toa na vida, caminhando e cantando e seguindo a canção, quando de repente, não mais que de repente, na avenida sambando, estandarte na mão pra anunciar, despontou minha avó Zinha, como uma flor de lis, cantarolando pela rua:


- Tá legal, eu aceito o argumento, abre as asas sobre mim, oh senhora liberdade.

E foi aí que eu vi Iara cantar, eu vi alguém mergulhar para nunca mais voltar e gritei o mais alto que pude:


- BRASIL, MEU BRASIL BRASILEIRO, MEU MULATO INZONEIRO, MOSTRA TUA CARA, QUERO VER QUEM PAGA PRA GENTE FICAR ASSIM!