top of page

As efêmeras construções do ódio e as permanentes obras do amor



Exacerbar disputas pelo poder, riquezas, competição, inveja e intolerância levam ao ódio e à destruição. Já a cooperação leva ao respeito, à criatividade e à inovação. O amor sustenta a resiliência.


Mais uma vez, observamos em várias partes do mundo o recrudescimento do ódio. Sunitas e Xiitas se enfrentam no Oriente Médio. Os refugiados destas lutas fratricidas que migram para Europa passam, eles e seus filhos, a enfrentar um duro período de preconceito, marginalização econômica e social por parte da cristandade. Na Europa, neonazistas e fascistas voltam a perseguir judeus cujas chagas do Holocausto ainda estão sangrando. Estes, em Israel, revidam os ataques dos palestinos. Com força duplicada.


Copiando esses e outros maus exemplos, em nossa política interna brasileira temos também um chamado "gabinete do ódio" e discursos de surpreendente agressividade.


 

Um alívio na alma, escutar essa playlist instrumental

 

A que serve tanto ódio? A história brasileira e mundial tem muitos exemplos de tais duas faces das relações humanas: a do ódio que nada deixa, e a da cooperação que cria marcos perenes.


Desde a tomada de Constantinopla pelos turcos, em 1453, as rotas comerciais para o Oriente - que já haviam levado ao apogeu Veneza e outras cidades italianas - haviam se tornado precárias. Assim, em uma estratégia que levou décadas a ser completada, os portugueses foram dominando a navegação em torno da África, atingindo o Oceano Índico, e, finalmente, os mercados de Índia, Java, Sumatra e China. Lá chegaram, porém, bombardeando e massacrando os muçulmanos, considerados malditos (na visão da época) seguidores de Maomé. Tiveram por lá seu tempo, mas não conseguiram constituir presença sustentável, logo cedendo o lugar a outros povos.


Em 1500, os judeus eram benquistos em Portugal. Além da presença na medicina e em outros setores que lhes eram permitidos, eram muito fortes no comércio internacional e gozavam de um status respeitável na corte portuguesa, onde contribuíam para o início da formação de uma nação comercial.


A tolerância vigente que tanto beneficiava Portugal, se interrompeu quando D. Manuel, "o Venturoso", cedeu às enormes pressões do sogro e da sogra, os reis católicos da Espanha, Fernando e Isabel, para expulsar os judeus. Este casal, após varrer com crueldade os muçulmanos que por lá estavam há 700 anos, empreenderam a sistemática expulsão dos judeus, cujos bens expropriaram.


Consequência: a partir daí, estes povos guerreiros e brigões, portugueses e espanhóis, não especialmente hábeis em técnicas e artes urbanas, entraram em secular declínio econômico, onde as receitas que geravam fruto de suas conquistas coloniais, passavam para a mão dos financiadores na Holanda, Itália ou Alemanha. Hoje, como reparação, a Espanha está concedendo nacionalidade àqueles que comprovadamente tiveram seus antepassados expulsos. Antes tarde - mais de 500 anos depois - do que nunca.


Personagem interessante dessa época é Doña Gracia Nassi Mendes, a primeira banqueira judia, portuguesa de nascimento (1510), que, seguindo a progressão das hostilidades racistas, teve que se mudar para Inglaterra, Holanda, Antuérpia, Itália, até vir a se estabelecer em Constantinopla. O sultão da época, Suleiman, "o Magnífico", sabiamente acolheu todos os judeus que iam sendo expulsos de seus lugares de origem, e muitos cristãos atraídos por sua proteção às artes.


D. Gracia recebeu terras na Palestina e outras lá adquiriu. Promoveu naquele longínquo século XVI os primeiros assentamentos de judeus em sua terra prometida. Ela também patrocinou a edição, em Ferrara, da primeira bíblia em ladino, a língua de judeus sefarditas, submetidos a esta diáspora.


Outro personagem, Fernão de Loroña, também um cristão-novo, judeu convertido e português naturalizado - caído nas boas graças de D. Manuel pelos empréstimos e créditos que concedeu ao Rei, tem seu nome imortalizado no Arquipélago Fernando de Noronha. No entender de Eduardo Bueno, nosso maior divulgador da história, foi o primeiro dono do Brasil. Em 1501, recebeu o monopólio da exploração do pau-brasil, privilégio que deteve por 9 anos e que bons resultados lhe deu, apesar da pirataria desenfreada em nossas costas.


São dois episódios da história que mostram que a tolerância entre judeus, cristãos e muçulmanos, herdeiros em comum da tradição semítica e helênica, pode se efetuar com proveito para todos, sem disputas intermináveis, que mancham a humanidade. Quem somos nós, todavia, para fazer este tipo de reflexão sobre temas mundiais, quando vemos em nosso próprio país a versão moderna dos "galinhas verdes" integralistas de um lado e a turma da mortadela embandeirada de vermelho do outro, se digladiarem e babarem de ódio em torno de temas sobre os quais são ignorantes ou mal-informados? Não aprendemos nada, pelo visto.


Teremos oportunidade, em breve, nas eleições, de reafirmar os mais altos valores humanísticos e do amor ao semelhante que nos caracterizam como povo. Precisamos superar disputas e ódios e estarmos abertos a uma política imigratória de acolhimento generosa. Precisamos valorizar os descendentes dos ancestrais habitantes da nossa terra e dos africanos que para aqui vieram escravizados. É com todos esses brasileiros, gente de todas as procedências e diversidade, que podemos ter a esperança de construir a grande civilização nos trópicos que o mundo aguarda.


José Luiz Alquéres

Membro honorário do Instituto Histórico Geográfico Brasileiro


 

Cantoras Incríveis


Manifestações

Emoção


 

Siga as Redes Sociais da Cedro Rosa.

 

Cedro Rosa cria Plataforma mundial de Música, em 10 idiomas, para gerir direitos autorais e licenciar musicas.




Músicos, compositores, bandas, mídia, produtores de cinema, streaming, TV, publicidade e games em um único ambiente digital, para negócios de licenciamento.



Abra um perfil agora


Plataforma digital permite registro, distribuição e licenciamento de músicas no mundo inteiro. Todo mundo pode escutar músicas e podcasts de graça.



A Cedro Rosa , produtora e distribuidora de conteúdos, com sedes no Rio de Janeiro, New York e Tokyo criou uma plataforma digital de administração e distribuição de músicas no mundo inteiro.


Para ter acesso, como artista, empresa ou simplesmente amante de música, basta abrir um perfil, apenas com nome e e-mail.


A plataforma digital funciona em 10 idiomas e conta com mais de 3 000 mil certificadas, prontas para serem licenciadas para sincronizações diversas em filmes, novelas, audiovisuais, games e publicidades.


Acompanhe nossas redes digitais. https://linktr.ee/cedrorosa


Compositores, bandas e artistas podem registrar suas musicas e fazer contratos de distribuição e licenciamento e empresas da midia como TVs, Radios, produtoras de cinema e conteudo em geral podem licenciar essas obras devidamente certificadas diretamente na plataforma.




+ Confira também

destaques

Essa Semana

bottom of page