top of page

Alô governo Lula, mais respeito aos aposentados – Capítulo 2



Cid Benjamin*


Há umas duas semanas escrevi um artigo tratando do drama de mais de um milhão de pessoas que, tendo cumprido todos os requisitos para se aposentar, fizeram o pedido ao Ministério de Previdência Social e esperam indefinidamente para ter o direito reconhecido. Nessa lista estão, também, mulheres que solicitaram o auxílio-maternidade e até mesmo pessoas que fazem jus a receber o Benefício de Prestação Continuada (BPC), no valor de um salário-mínimo, previsto para maiores de 65 anos com baixa renda


São trabalhadores que contribuíram durante décadas e para os quais os caraminguás a que têm direito seriam de grande importância na luta pela sobrevivência, tanto deles, como de suas famílias.


A Previdência informa que há déficit de funcionários e, por isso, a análise dos pedidos de aposentadoria é feita num ritmo lento. Além disso, há muitos anos não são feitos concursos para aumentar o pessoal e, com o tempo, os pedidos ao INSS vão se acumulando. A isso se soma o fato de que alguns funcionários se aposentam, o que contribui para diminuir o pessoal. Por isso, a fila aumenta a cada dia.


A “solução” apresentada pelo ministério é pagar um bônus extra para que os servidores façam horas extras e, assim, a fila vá diminuindo. De qualquer forma, o ritmo em que ela vai diminuindo é muito lento.


Assim, essa “solução” não resolve o problema de gente que, em sua maioria, está há muitos meses (e, às vezes, anos) esperando ver reconhecido um direito líquido e certo, para o qual contribuiu religiosamente durante décadas, com descontos mensais nos salários.

O amigo que me chamou a atenção para o problema – Álvaro Nascimento – fez uma proposta que encampei no artigo citado.


A enorme maioria do pessoal que está na fila vai receber muito pouco como aposentadoria ou pensão, até porque os benefícios pagos pelo INSS são muito baixos. Por que, então, passados, digamos, três meses (legalmente o INSS teria um prazo de 45 dias para responder, mas o prazo não é cumprido) os pedidos não analisados não serem deferidos em caráter provisório, sem prejuízo da continuidade do processo de avaliação? Caso se constatasse posteriormente alguma irregularidade ou insuficiência nos requisitos devidos para o cidadão se aposentar, o pagamento seria interrompido e o ministério correria atrás do prejuízo nas formas legais.


Para o Estado os montantes em jogo seriam inexpressivos, mas ajudariam muitas pessoas humildes.


A publicação desse artigo chamou a atenção de outro amigo – o ex-deputado federal e ex-prefeito de Angra dos Reis Luiz Sérgio Nóbrega – que me alertou para mais um problema que também afeta os aposentados.


Uma vez deferido o pedido de aposentadoria, o período compreendido entre a entrada da solicitação e o deferimento constitui um direito líquido e certo. Caso a dívida total não ultrapasse 60 salários-mínimos, ela pode ser quitada por meio de um mecanismo chamado Requisição de Pequeno Valor (RPV), com pagamento em até 60 dias.


Mas, dependendo do valor, o montante é pago por meio de precatório, que tem outro sistema, com liberação de apenas um lote por ano. Isso leva a que o pagamento seja atrasado, às vezes, por anos.


Então, caso o credor queira num prazo curto, recebe por RPV apenas o equivalente a 60 mínimos, tendo que abrir mão do restante.

Há escritórios de advocacia que aproveitam a situação e assediam beneficiados para comprar com deságio os direitos de receber o valor total. O mais comum é que o deságio seja de 30% a 50%, mas há casos em que chega a 70%.


Como se vê, nos casos em que montante a ser recebido é superior a 60 salários-mínimos, caso tenha necessidade imediata do dinheiro o trabalhador é levado a abrir mão de parte dele pela morosidade do Estado.

Será isso justo?


*Jornalista


 

Plataforma digital tem se destacado no mercado de música independente global


Com a popularização do acesso à música pela internet, a certificação de obras se tornou fundamental para garantir a remuneração justa dos criadores e produtores independentes. É nesse contexto que empresas como a Cedro Rosa Digital estão se destacando, oferecendo soluções eficientes para o licenciamento de trilhas sonoras e geração de receita para compositores e produtores independentes em todo o mundo.


Com a certificação de obras, os artistas e produtores independentes têm a garantia de que suas criações estão protegidas e remuneradas de forma justa. Isso também oferece segurança para o mercado da mídia, games, publicidade e usuários, que podem utilizar obras com a garantia de pagamento dos direitos autorais.


ACedro Rosa Digital tem se destacado no mercado de música independente global, oferecendo serviços de qualidade e eficiência na certificação de obras. A empresa conta com sedes no Rio de Janeiro, nos Estados Unidos e escritório em Tóquio, no Japão, para atender ao mercado asiático.



Samba Muito Bom, tudo Cedro Rosa Digital


Além de oferecer soluções para a distribuição e comercialização de obras musicais, a Cedro Rosa Digital tem contribuído para o reconhecimento e remuneração justa de compositores e produtores independentes em diferentes países. Com sua atuação global, a empresa tem consolidado sua posição como referência no setor, garantindo a transparência e segurança nas transações comerciais de música independente.


Com a certificação de obras, a Cedro Rosa Digital está transformando o mercado de música independente, tornando-o mais justo e transparente. Ao gerar receita para compositores e produtores independentes, a empresa está contribuindo para o fortalecimento da música independente e para o sucesso dos artistas e produtores que atuam nesse segmento.



Comments


+ Confira também

destaques

Essa Semana

bottom of page