A pessoa certa no lugar certo é coisa do passado


Durante muito tempo eu ouvi, e até concordei, com aquela máxima organizacional da “pessoa certa no lugar certo”, hoje não acredito mais na simplicidade dessa frase.


As empresas continuam fazendo a gestão das pessoas e dos negócios da mesma maneira que faziam no século passado, e o que é pior, muitas vezes utilizando ferramentas do século retrasado, Taylor e Fayol estão aí e não me deixam mentir.


O mundo mudou muito depois que a globalização deu suas caras por aqui, e a tecnologia aproximou as pessoas de uma maneira nunca antes vista, mas ainda vejo pessoas procurando emprego, por exemplo, como eu fazia na década de 80.

Eu sempre falo aos meus alunos, não adianta utilizar os meios disponíveis no séc. XXI para fazer as coisas que fazíamos no séc. XX.


É preciso entender as mudanças e se adaptar a elas e não o contrário.

Os processos de recrutamento e seleção (em sua grande maioria) continuam buscando alguém para ocupar uma vaga que está aberta, e quase sempre (para não dizer sempre) não há uma comunicação efetiva entre a área solicitante e o RH, isso precisa mudar.